Diário de São Paulo
Siga-nos

Bombeiros iniciam 3º dia de buscas por ativista que desapareceu em represa de SP; polícia investiga caso como homicídio culposo

Adolfo Souza Duarte, conhecido como Ferrugem, está sumido desde segunda (1º) após sair para um passeio de barco com um grupo de jovens. Polícia Civil investiga homicídio culposo; antes, caso era tratado como desaparecimento

Bombeiros iniciam 3º dia de buscas por ativista que desapareceu em represa de SP - Imagem: Reprodução | Redes Sociais
Bombeiros iniciam 3º dia de buscas por ativista que desapareceu em represa de SP - Imagem: Reprodução | Redes Sociais

Publicado em 04/08/2022, às 09h31 G1


O Corpo de Bombeiros retomou na manhã desta quinta-feira (4) as buscas pelo ativista que desapareceu na represa Billings, Zona Sul da capital paulista, após um passeio de barco com um grupo de turistas na segunda-feira (1º).

As buscas foram retomadas às 08h e a corporação não informou o ponto exato da Represa Billings que a procura pelo desaparecido será feita nesse terceiro dia.

Adolfo Souza Duarte, conhecido como Ferrugem, caiu na água durante um passeio com um grupo de jovens, de acordo com testemunhas. Uma das jovens que estava no barco do ativista disse à Polícia Civil que o líder ambiental a ajudou para que não se afogasse. Depois, no entanto, ele teria desaparecido na água.

A delegada responsável pelo caso disse que investiga homicídio culposo, aquele sem intenção de matar. Até terça-feira (2), o caso era tratado como desaparecimento.

De acordo com o boletim de ocorrência, Ferrugem desapareceu por volta das 19h30 de segunda-feira, após sair da região conhecida como Cantinho do Céu com dois casais de jovens, que pagariam R$ 50 por um passeio pela região.

Formado em história, ele trabalha fazendo passeios pela represa e coordena uma ONGde defesa do meio ambiente.

Em entrevista à TV Globo, a delegada responsável pelo caso, Jakelline Barros, disse que os jovens relataram em depoimento que os passageiros da parte de trás do barco caíram na represa quando houve um tranco.

"Os que estavam atrás acabaram por cair na água da represa. Ela [a jovem que caiu na água] diz que ele [Ferrugem] a ajudou a levantar, deu indicações de que deveria continuar a bater as pernas, mas ela afirma que, quando se apoiou na boia e olhou de lado, já não mais o viu", contou a delegada.

Em depoimento à polícia, o grupo que o contratou afirmou que Ferrugem e uma das jovens caíram na represa após um tranco no barco, e que os outros três passageiros jogaram um colete salva-vidas. A jovem foi resgatada, mas o ativista desapareceu na água.

Os rapazes conduziram o barco de volta até as margens da represa. No local, ao contarem a história a alguns moradores da região, o grupo foi agredido, de acordo com o boletim de ocorrência.

Compartilhe