Diário de São Paulo
Siga-nos

Partido Conservador do Reino Unido divulga lista oficial de candidatos a primeiro-ministro

São oito candidatos: Rishi Sunak, Penny Mordaunt, Liz Truss, Tom Tugendhat, Nadhim Zahawi, Suella Braverman, Kemi Badenoch e Jeremy Hunt

Premiê britânico, Boris Johnson, durante posicionamento diante do parlamento - Foto: Reprodução / Youtube
Premiê britânico, Boris Johnson, durante posicionamento diante do parlamento - Foto: Reprodução / Youtube

Publicado em 13/07/2022, às 08h19 G1


O Partido Conservador britânico divulgou, nesta terça-feira (12), a lista de oito candidatos que estão oficialmente concorrendo à direção da sigla e ao cargo de primeiro-ministro do Reino Unido, após a demissão de Boris Johnson, na semana passada.
Sem surpresa, o ex-ministro das Finanças, Rishi Sunak, a secretária de Estado para o Comércio Exterior, Penny Mordaunt, a chefe da diplomacia Liz Truss e o deputado Tom Tugendhat conseguiram sem problema os 20 apoios necessários entre os membros do Partido Conservador no Parlamento, para serem oficialmente candidatos.  
O novo ministro das Finanças Nadhim Zahawi, a procuradora-geral da Inglaterra e do País de Gales, Suella Braverman, a secretária de Estado para Mulheres e da Igualdade Kemi Badenoch e o ex-secretário de Estado para Assuntos Exteriores, Jeremy Hunt, também concorrem.

O ex-ministro da Saúde Sajid Javid, cuja demissão aumentou a pressão para a saída de Johnson, retirou sua candidatura pouco antes do anúncio da lista final.
Na quarta-feira (13), cada candidato terá que conseguir o apoio de 30 deputados para sua candidatura no primeiro turno da eleição. O segundo turno está previsto para quinta-feira (14) e outro, se necessário, na segunda-feira (18).

O objetivo é que restem apenas dois candidatos antes do recesso parlamentar, que começa em 22 de julho. O nome do futuro primeiro-ministro será conhecido em 5  de setembro, após uma votação final aberta aos membros do Partido Conservador.
Redução de impostos e polêmicas
Ao lançar sua candidatura terça-feira, Sunak, um dos favoritos, preferiu não criticar Johnson, se recusando a “diabolizar Boris, exagerando seus erros e negando seus esforços”.
A campanha tinha se limitado até agora a vídeos, que circulam em redes sociais, com promessas vagas sobre redução impostos e polêmicas de todo tipo.
A imprensa britânica relatou que o atual ministro das Finanças era alvo de uma investigação fiscal. Em resposta, Zahawi, de 55 anos, afirmou que pretendiam “sujá-lo” e prometeu publicar cada ano sua declaração de impostos, se fosse primeiro-ministro.
Ao contrário de seus rivais, Sunak foi prudente sobre as reduções de impostos em um contexto de forte inflação. No entanto, para não perder espaço para os concorrentes, garantiu que essa era “uma questão de quando, não de se”, defendendo, ao mesmo tempo, a “honestidade e a responsabilidade e não os contos de fadas”.
Quando era ministro, Sunak foi criticado por não ter feito o suficiente para ajudar os britânicos em dificuldade com o aumento do custo de vida.

Compartilhe