Diário de São Paulo
Siga-nos

Da várzea ao profissional: gêmeas Laís e Thaís são os reforços do Barcelona para o Carioca Feminino

O Barcelona Rio E.C. estreia no Campeonato Carioca Feminino contra o Botafogo, neste sábado, às 15h (horário de Brasília), no Caio Martins, em Niterói. O

Da várzea ao profissional: gêmeas Laís e Thaís são os reforços do Barcelona para o Carioca Feminino
Da várzea ao profissional: gêmeas Laís e Thaís são os reforços do Barcelona para o Carioca Feminino

Publicado em 01/10/2021, às 00h00 - Atualizado às 20h35 Redação


Aos 20 anos, a lateral-direita Thaís e a ponta-direita Laís revelam a trajetória no futebol amador, até a chegada ao Barcelona, com passagens pelo Vasco e América

O Barcelona Rio E.C. estreia no Campeonato Carioca Feminino contra o Botafogo, neste sábado, às 15h (horário de Brasília), no Caio Martins, em Niterói. O Barcelona conta com as irmãs gêmeas Laís e Thaís Flor para atuar pelo lado direito e atingir uma boa performance na competição. A dupla começou no campo de terra atrás da casa onde moravam no bairro de Santa Rita, em Nova Iguaçu. As atletas já tiveram passagens pelo Vasco, América e recentemente Belford Roxo.

A oportunidade de disputar o Carioca pelo Barcelona é mais um passo dado para a realização do sonho de ser jogadora. Laís revelou que a infância não foi fácil, que a família passava por momentos de grandes dificuldades financeiras. Entretanto, a atleta agradeceu ao apoio dos pais, que, segundo ela, sempre “davam um jeito” de ajudá-las a correr atrás do sonho de viver do futebol.

Família das gêmeas: pai Venício, mãe Patrícia, primo Lucas, Laís, Thaís, irmão Bruno e irmã Karla — Foto: Arquivo pessoal da atleta

Família das gêmeas: pai Venício, mãe Patrícia, primo Lucas, Laís, Thaís, irmão Bruno e irmã Karla — Foto: Arquivo pessoal da atleta

– Nossa infância foi bem humilde, meus pais sempre fizeram de tudo por mim e pelos meus irmãos. Meu maior sonho é me tornar jogadora profissional. Jogo bola tem muito tempo, mas a renda não é lá essas coisas. Porém, nossos pais sempre dão um jeito de ajudar. Essa vaga no Barcelona Rio é uma grande oportunidade para nós duas.

Thaís contou como foram os primeiros passos no futebol pelo time masculino do bairro. A lateral revelou que sempre esbarraram em dificuldades para disputar a modalidade feminina. Segundo a atleta, somente após serem aprovadas na peneira do América, que surgiram as oportunidades.

– Quando morávamos com nossos pais, jogávamos bola com uns amigos no campo atrás de casa. Depois entramos em um time do bairro, jogando com garotos. Foi sempre difícil para conseguirmos jogar só com mulheres, mas depois de um tempo passamos no teste do América, e apareceram muitas propostas para jogarmos.

Mas a falta de estrutura da modalidade não foi a única barreira. Ambas relataram que o machismo está muito presente no meio futebolístico e que as piadinhas de que futebol não é para mulher eram frequentes. Thaís detalhou as ofensas que costumava ouvir, e Laís revelou que em algumas situações pessoas até as mandaram desistir.

– Era bem chato ouvir “futebol é para homem”, “lugar de mulher é na cozinha”, “lá vem a moleque macho”. Para algumas pessoas é bobeira, mas para uma mulher, que gosta de futebol, é muito ruim. Acho que a maioria das meninas passa por isso. É muito machismo, e o futebol feminino não é muito valorizado. Por sermos mulheres, sempre fazem aquela brincadeira de mau gosto. Dizem que futebol não é para mulher, já chegaram até falar para a gente desistir – disse Thaís.

As gêmeas, que atualmente moram com suas companheiras, relataram que o apoio dos pais foi fundamental para que pudessem expor publicamente sua sexualidade. A lateral Thaís contou como foi o momento em que se abriram para a família e a reação dos pais.

– No início. eu achei que iria ser difícil, tinha medo da reação da minha família e dos amigos. Mas graças a Deus minha família aceitou de boa, me apoiou e não virou as costas nem pra mim e nem para minha irmã.

Mas para as jovens jogadoras, um dos momentos mais complicados foi passar pela pandemia. A ponta-direita Laís contou que a tia teve Covid-19 recentemente e que os momentos em que ela esteve internada foram os piores que já passou.

– Ela pegou duas vezes e ficou internada em estado grave. Passei por essa situação difícil duas vezes, uma foi com a minha tia e a outra com a mãe da minha ex-cunhada. Ela não teve a sorte da minha tia e faleceu. Lidar com essa pandemia não é fácil.

Gêmeas Laís (de azul) e Thaís (de branco), atualmente no Barcelona Rio, se enfrentaram em Campeonato Amador — Foto: Arquivo Pessoal da atleta

Gêmeas Laís (de azul) e Thaís (de branco), atualmente no Barcelona Rio, se enfrentaram em Campeonato Amador — Foto: Arquivo Pessoal da atleta

Antes de chegarem ao Barcelona do Rio, as irmãs disputaram um torneio amador e vivenciaram uma situação pouco comum para as duas. Pelo time do treinador Ryan, o Bafanas, Laís enfrentou a irmã Thaís (artilheira e melhor jogadora da competição), então no Novidade F.C, na final. Laís demonstrou gratidão por Ryan, que abriu as portas para as gêmeas no América, momento que consideram uma virada de chave.

– Disputei esse torneio pelo Bafanas, um time de um amigo meu chamado Ryan. Através dele que muitas coisas deram certo na nossa vida. Desde quando eu o conheci, ele sempre tentou nos ajudar. Foi através dele que fomos para o América. Ele correu atrás de tudo para a gente, até mesmo em questão de passagem. Nos ajudou bastante.

Irmãs gêmeas Laís Flor e Thaís Flor disputam Campeonato Carioca Feminino pelo Barcelona Rio E.C. — Foto: Arquivo pessoal da atleta

Irmãs gêmeas Laís Flor e Thaís Flor disputam Campeonato Carioca Feminino pelo Barcelona Rio E.C. — Foto: Arquivo pessoal da atleta

O momento da chegada ao Barcelona se deu por meio de outra amizade. Dessa vez, uma companheira do atual clube, a amiga Thainá. Perguntadas sobre a expectativa para o Carioca, Thaís declarou que o Barcelona se preparou fortemente para a competição.

– Estou bastante ansiosa. Minha expectativa é voltar com a vitória. Estamos treinando forte para ganhar o Carioca.

A irmã de Thaís também se mostrou otimista, mas reconheceu a qualidade do Botafogo, rival do Barcelona na estreia no Estadual, no sábado à tarde.

– Estamos preparadas. Sabemos que o time adversário é forte, mas nada vem ao caso. O futebol é jogado – completou Laís.

.

.

.

Globo Esporte

Compartilhe