Diário de São Paulo
Siga-nos

Caos nos aeroportos: entenda o que está causando dias de espera para voos na Europa

Imagem Caos nos aeroportos: entenda o que está causando dias de espera para voos na Europa

Publicado em 07/07/2022, às 00h00 - Atualizado às 08h15 Redação


Aeroportos pela Europa e nos Estados Unidos têm registrado atrasos, cancelamentos e diversos transtornos para os passageiros, que aguardam dias para conseguir embarcar. A situação, que começou com greves entre trabalhadores das companhias aéreas no final de julho, coincide com as férias de verão na região, uma alta temporada para viajar.

Em Portugal, no último sábado (2), o humorista brasileiro Abdías Melo viralizou ao ironizar a longa espera pelo seu voo, dizendo que estava havia 6 dias sem trocar de cueca.

“Eu não tomei banho, tô fedendo. Um absurdo. Meu sovaco está fedendo. E eles não fazem nada. Simplesmente falam assim: ‘vamos resolver’. Aí, botam um voo, dá o cartão de embarque, cancela. Eu só consigo fazer cocô em casa. Eu tô preso, sem fazer cocô”, contou.

De acordo com a mídia portuguesa, no sábado, 65 voos foram cancelados no aeroporto de Lisboa. Na terça-feira (5), o número caiu para cerca de 30 voos.

Além disso, ParisMadriLondresAmsterdã, Alemanha e até os Estados Unidos, na América, também estão enfrentando o mesmo problema, diz o diretor do Fundação Getúlio Vargas (FGV) Transportes, Marcus Quintella.

Despreparo para a retomada

Existem alguns motivos que levaram ao cenário narrado por Melo, aponta Quintella:

  • retomada das viagens após a paralização da pandemia, que, agora em julho, é impulsionada pelas férias de verão na região;
  • demissão dos profissionais qualificados devido à baixa demanda na pandemia, com lenta recontratação;
  • alta de casos de doenças respiratórias, seja pela própria Covid-19 ou pela gripe, durante o inverno europeu, o que diminuiu a quantidade de funcionários operando;
  • insatisfação da tripulação com alta carga de trabalho, causando as greves por melhores condições e salários mais vantajosos.

O especialista relata que a expectativa para total retomada do setor era apenas em 2024 e não agora, por isso a falta de preparação.

O próprio filho de Quintella foi um dos passageiros que viveram esse problema. Ele voltou de Londres para o Brasil nesta terça-feira (5) após um atraso de cerca de 8 horas do seu voo.

Vou para a Europa, e agora?

Não há uma previsão de quando o problema será resolvido, diz Quintella.

A tendência é que as companhias aéreas entrem em um acordo com os seus contratados, pois a greve é mais custosa para elas, afirma. As empresas têm que, por exemplo, pagar vouchers de alimentação, dependendo do tempo de espera do passageiro em caso de adiamento, e indenizações que podem ser solicitadas.

Até lá, é importante ir para o aeroporto preparado para horas de espera e para um possível cancelamento do voo. Vale pesquisar hotéis próximos e entender como que eles estão de vagas. Você pode precisar se hospedar.

Compartilhe