Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Bucho, goela e cangote: palavras do dialeto caipira do interior de SP estão caindo em desuso, aponta pesquisadora da USP

Publicado

em

Governo enviou 300 servidores para ajudar em buscas no Amazonas

Uma pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) verificou que o dialeto caipira está caindo em desuso em pelo menos oito cidades do interior do estado. Termos como bucho, goela, lombo, beiço e sovaco foram usados pelos entrevistados mais velhos, mas pouco lembrados pelos jovens, o que indica o desuso.

A pesquisa, da filóloga Lívia Carolina Baenas Barizon, teve a participação de moradores de Capivari, Itu, Piracicaba, Pirapora do Bom Jesus, Porto Feliz, Santana de Parnaíba, Sorocaba e Tietê.

Para realizar a pesquisa, Barizon se concentrou em palavras que descrevem partes do corpo humano. Com a ajuda de um desenho e munida de um questionário, ela entrevistou pessoas de diversas faixas etárias para saber como eles se referem a cada parte do corpo.

“Como se chama isto? Você conhece outro nome para isto? Quando a pessoa fica doente, às vezes, fica com dor no…?”, perguntava a pesquisadora.

 

“Eu chegava pros entrevistados e explicava o trabalho, de forma simples, antes de fazer as perguntas. Tem que ter muita sensibilidade para fazer esse trabalho de campo para a pessoa não ficar parecendo que está em um teste de conhecimento e não se sentir julgada”, explicou.

Vocabulário caipira: as variações mais citadas pelos entrevistados em pesquisa da USP — Foto: Arte/g1

Vocabulário caipira: as variações mais citadas pelos entrevistados em pesquisa da USP — Foto: Arte/g1

Seguindo esse método, o estudo verificou a frequência relativa de 85 termos – e quais as variações possíveis para cada um deles.

“Foi muito interessante ver como as partes íntimas foram as que mais tiveram variações e diversidade de vocabulário”, contou Barizon, autora da pesquisa.

“É engraçado porque a gente imagina que vai ter menos, que a pessoa vai ficar tímida, e ocorreu o contrário”, comentou.

Sob orientação dos professores Manoel Mourivaldo Santiago Almeida, da USP, e Maria do Socorro Vieira Coelho, da Unimontes, a pesquisadora apresentou os resultados do estudo em sua tese de doutorado na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) em fevereiro deste ano.

Mapa da região do Médio Tietê, destacando as cidades de Capivari, Piracicaba, Tietê, Pirapora do Bom Jesus, Santana do Parnaíba, Itu, Porto Feliz e Sorocaba — Foto: Reprodução/USP

Mapa da região do Médio Tietê, destacando as cidades de Capivari, Piracicaba, Tietê, Pirapora do Bom Jesus, Santana do Parnaíba, Itu, Porto Feliz e Sorocaba — Foto: Reprodução/USP

A tese mostrou uma maior tendência de desuso nos termos pesquisados. De um total de 60 léxicos selecionados, 58% apresentaram tendência ao desuso, enquanto 27% tiveram tendência de manutenção.

O desuso é verificado quando uma palavra é menos utilizada pelos jovens, e mais pelos idosos. Já a tendência à manutenção ocorre quando os jovens estão utilizando mais um item lexical que os idosos.

.

.

.

.

.

.

G1

mais lidas