Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Único remador do Brasil com vaga em Tóquio se divide entre treino, estudo, balcão de loja e entregas

Publicado

em

Único remador do Brasil com vaga em Tóquio se divide entre treino, estudo, balcão de loja e entregas

Lucas Verthein tem rotina cheia em meio à preparação para a estreia em Olimpíadas aos 22 anos

Ainda é noite quando Lucas Verthein põe o barco na água. Madrugar faz parte da rotina do esporte, mas para o único remador brasileiro e único atleta do Botafogo classificado para as Olimpíadas de Tóquio, a jornada é tão longa que também termina no escuro. Além de treinar de 4 a 6h por dia, o carioca concilia os estudos da faculdade de administração, o trabalho em uma loja de conserto de eletrônicos e faz entregas para ajudar a mãe.

A rotina corrida começou quando Lucas ainda estava na escola. Em 2014 a mãe, Luciana, perdeu o emprego e encontrou na culinária uma saída para sustentar a casa. Lucas vendia os quitutes feitos por ela. Com o tempo Luciana passou a cozinhar kits de refeições gourmet e lançou o “Empório da Lua”. Hoje Lucas dirige pela Zona Sul e pela Barra da Tijuca uma vez por semana fazendo as entregas de carro.

– Ele já no remo começou a vender brownies e doces para mim, para o pessoal do clube… Quiches… Aí foi a porta de entrada. Ele está nesses bastidores. Sempre arruma cliente. É o guerreiro da casa. Me dá muito orgulho ver que hoje ele é o único atleta do Brasil representante do remo… Só mesmo agradecer – disse a mãe.

O curso de administração é feito à distância e deve ser concluído em menos de dois anos. E estes conhecimentos o ajudam na sociedade com o amigo Arthur Sant’Anna em uma loja de consertos de eletrônicos na Tijuca.

O remador cuida da logística e do atendimento ao público enquanto Arthur cuida dos reparos em si. Os feitos em celulares são o carro-chefe, mas a dupla também tem um projeto para baratear a manutenção de equipamentos esportivos importados.

– Alguns destes aparelhos, como GPS, cronômetro, visores de ergômetros só conseguem ser consertados nos Estados Unidos. Gasta um tempo enorme, o valor também é muito acima… Às vezes apresenta um defeito simples que até mesmo um profissional de telefones e notebooks consegue resolver.

Lucas Verthein também trabalha em loja de conserto de eletrônicos na Tijuca — Foto: Helena Rebello

Se vira nos 30 também no remo

 

A preocupação de Lucas em baratear os custos dos equipamentos parte da própria experiência com as limitações que enfrenta no dia a dia. O ergômetro (máquina que simula o movimento do remo em terra) que usa na sede náutica do Botafogo foi comprado por ele e contrasta com os equipamentos mais antigos da sala de musculação local.

O barco no qual ele rema é emprestado pela Confederação Brasileira (CBR), mas também não é adequado ao peso de Lucas, hoje na casa dos 85kg. Ele utiliza um modelo para 110kg, pois o único barco da CBR na faixa dele hoje é utilizado por outra atleta da seleção, mais leve que ele.

Lucas Verthein treina em ergômetro comprado por ele — Foto: Helena Rebello

Lucas Verthein treina em ergômetro comprado por ele — Foto: Helena Rebello

Essas adversidades, no entanto, se tornam combustível para que ele siga batalhando com otimismo. Uma peça fundamental neste processo é o técnico Paulinho, que o orienta desde as categorias de base. Paulinho acompanhou toda a evolução de Lucas e relembra com carinho a transformação da mentalidade dele na de um atleta de ponta.

– Ele escreveu no peito “sou um campeão, tenho que treinar muito”. Isso foi após uma regata onde ele nem se classificou para a final. Ele era muito jovem. E quando ele foi medalhista no Mundial, uma medalha inédita para o país, ele me mostrou essa foto – contou Paulinho.

O evento em questão foi o Mundial Junior de Roterdã, na Holanda, em 2016. O brasileiro foi bronze e se apresentou a nível internacional. A coleção de medalhas aumentou significativamente desde então, e agora, aos 22 anos, Lucas se prepara para a primeira Olimpíada da carreira. A vaga foi conquistada em março, ao vencer o single skiff masculino no Pré-Olímpico no Rio.

– Nos últimos 250m eu não tinha mais nada, não tinha mais energia. Quando a gente foi para as últimas 10, 15 remadas eu consegui ter uma velocidade maior do que a do chileno e cruzar na frente dele, um pouco mais de um segundo, então foi uma coisa emocionante demais para mim.

Lucas Verthein treinando na Lagoa Rodrigo de Freitas — Foto: Helena Rebello

Lucas Verthein treinando na Lagoa Rodrigo de Freitas — Foto: Helena Rebello

A capacidade de resistir à dor e dar todo o gás para ser o primeiro na linha de chegada são inspiradas pelo ídolo de Lucas. Apesar de não ter visto Ayrton Senna correr pela pouca idade, ele se tornou fã assistindo a vídeos das corridas de Fórmula 1 antigas e a documentários do piloto. E idealiza um dia poder ser reconhecido pelos narradores como Senna era.

– Parece que foi ontem que comecei a remar. Faz muito pouco tempo, e eu realmente ficava sonhando em estar nesse momento agora. Ainda sonho muito além disso. Quero ser conhecido como o Lucas do Brasil.

.

.

.

Fonte: Ge – Globo Esporte.

mais lidas