Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Trump ou Biden? Mundo pode conhecer novo presidente dos EUA nesta terça

Publicado

em

Trump ou Biden? Mundo pode conhecer novo presidente dos EUA nesta terça

Biden esteve à frente nas últimas pesquisas de intenção de voto, mas estados-chave devem definir chefe da Casa Branca pelos próximos quatro anos

A votação que definirá o presidente dos Estados Unidos da América  se encerra nesta terça-feira (3). Biden ou Trump?  Republicanos ou Democratas? O resultado deve ser acirrado, já que, segundo Cientistas políticos, eleitores e os próprios candidatos, esta é a eleição norte-americana mais importante do século.

Prova disso é que a disputa caminha para ter a maior participação popular dos últimos 100 anos – nos EUA, o voto não é obrigatório e alguns estados deixam que seus eleitores votem antecipadamente por correio, ou presencialmente em seções eleitorais.

Votação antecipada

Sob o pano de fundo da pandemia , as eleições presidenciais deste ano ocasionaram em uma quantidade de votos antecipados nunca antes vista: mais de 95 milhões de pessoas já votaram antecipadamente, segundo dados da “Projeto Eleições”, da Universidade da Flórida . Destes, 60.451.666 pelo correio e 34.576.166 de forma presencial.

Alguns estados decisivos para o resultado, como Flórida e Carolina do Norte , já recolheram mais de 90% dos votos das eleições passadas. Além dos dois, pelo menos mais cinco estados têm quase mais votos antecipados que todos os registrados em 2016. São eles:

  • Montana 99,1%
  • Washington 97,9%
  • Carolina do Norte 95,4%
  • Geórgia 93,9%
  • Flórida 93,7%
  • Novo México 93,2%
  • Nevada 91,2%

É bom entender, porém, que a participação antecipada é, também, uma forma de evitar aglomerações no dia 3, já que os EUA são o país mais afetado pela pandemia de coronavírus  no mundo, com mais de 9 milhões de casos confirmados e 220 mil mortes.

Estados-chave decidirão

Segundo o levantamento nacional Wall Street Journal/NBC News , divulgado na véspera das eleições, Biden tinha uma vantagem de 10 pontos percentuais sobre Trump. Já a média das novas pesquisas nacionais contabilizadas pelo site RealClear Politics aponta Biden à frente , com 7,2 pontos percentuais.

Mas, nos EUA, por se tratar de eleições indidetas, para um candidato ser eleito, não basta apenas vencer no total de votos: é preciso sair vitorioso nos chamados delegados para se tornar presidente . São 538 delegados em disputa e 270 necessários para a vitória, sendo que cada estado tem uma quantidade diferente, e proporcional, de delegados.

Temos as eleições de 2016 como exemplo, quando Trump recebeu 3 milhões de votos a menos que Hillary Clinton , mas saiu vitorioso por ter vencido em alguns estados-chave.

Em alguns do estados conhecidos como  swing states  (pois podem pender para o lado dos republicanos ou dos democratas), Biden tem vantagem considerável. Na Pensilvânia e no Arizona , o democrata está 6 pontos percentuais à frente de Trump, segundo pesquisa New York Times/Siena divulgada no domingo (1). Em Wisconsin , a vantagem é ainda maior: 11 pontos. Em todos eles, Trump foi o vencedor há quatro anos.

Na Flórida, o mais importante dos  swing states , a situação é imprevisível. A média de sete levantamentos contabilizada pelo RealClear Politics  mostra uma vantagem de apenas 0,7 ponto percentual para Biden – dentro da margem de erro.

Além de contar com 29 votos no colégio eleitoral, o maior número entre todos os estados-chave, a Flórida deve ser responsável pela primeira indicação dos rumos da eleição.

Caso Trump vença na Flórida, seguem vivas suas chances de repetir a surpresa de 2016. Mas, caso o estado dê vitória a Biden, o caminho da reeleição fica muito mais complicado para Trump.

O presidente teria de ganhar em vários estados-chave onde Biden está na frente nas pesquisas – como Pensilvânia, Michigan e Wisconsin – e também conquistar Arizona, Texas e Ohio – onde o resultado é imprevisível.

Definição pode demorar a sair

Caso Biden se saia vitorioso em alguns dos estados decisivos, é possível que o resultado oficial demore dias para ser confirmado , devido ao enorme volume de votos pelo correio. Em Wisconsin, por exemplo, a conferência e contagem dessas cédulas só começa na própria terça-feira.

Além disso, o atual presidente Donald Trump vem dizendo há dias que a votação pelo correio facilita a incidência de fraudes. Seu assessor, Jason Miller, chegou a afirmar, em entrevista, que os votos que não forem contabilizados na noite de terça-feira não deveriam valer.

“Se você conversar com democratas inteligentes, eles acreditam que o presidente Trump vai estar na frente na noite da eleição, provavelmente com 280 votos [do colégio eleitoral], ou algo assim. Aí, eles vão tentar roubá-los de volta depois da eleição”, afirmou Miller .

.

.

.

iG

mais lidas