Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Tribunal ouve testemunhas no processo de impeachment de Witzel

Publicado

em

Tribunal ouve testemunhas no processo de impeachment de Witzel

Foram ouvidos 5 suspeitos de integrar esquema de corrupção na Saúde

Testemunhas do processo de impeachment contra o governador afastado do Rio de Janeiro Wilson Witzel começaram a ser ouvidas nesta quinta-feira (17) pelos integrantes do Tribunal Especial Misto, formado por cinco deputados estaduais e cinco desembargadores do Tribunal de Justiça (TJ). O tribunal especial é presidido pelo desembargador Claudio de Mello Tavares, que também preside o TJ.Tribunal ouve testemunhas no processo de impeachment de WitzelTribunal ouve testemunhas no processo de impeachment de Witzel

Antes do início dos depoimentos, o advogado Roberto Podval, que defende Witzel, tentou adiar o interrogatório, marcado para esta sexta-feira (18). Ele alegou que não teve tempo de ler documentos anexados ao processo na véspera. Porém, Podval não teve o pleito acatado pelo colegiado do tribunal especial.

Ainda durante a manhã, foram ouvidas cinco testemunhas da acusação. O primeiro a falar foi o ex-secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais Lucas Tristão, que declarou ter uma relação de inimizade com o ex-governador, e por isso foi ouvido como informante.

Tristão afirmou que nunca foi intermediário de ninguém no governo Witzel e que tratava apenas de assuntos de sua própria pasta. Sobre sua relação com o escritório de Helena Witzel, mulher do governador afastado, ele usou de seu direito constitucional para não responder.

A segunda testemunha ouvida foi Luiz Roberto Martins, acusado de ser o operador financeiro do esquema que funcionava na área da saúde que, segundo a denúncia, era chefiado pelo empresário Mário Peixoto.

Luiz Roberto mencionou o inquérito no qual é réu no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para ficar calado a maior parte do tempo. A mesma alegação foi usada por Everaldo Dias Pereira, o pastor Everaldo, presidente do partido de Witzel, o PSC. Ele começou o depoimento dizendo que não estava em condições de responder a nenhuma pergunta por causa do inquérito contra ele que corre no STJ. Lucas Tristão, Luiz Roberto e pastor Everaldo foram ouvidos por videoconferência por estarem presos.

Quarto a falar, o ex-subsecretário de Saúde Gabriell Neves também deixou de responder muitos questionamentos, por causa do inquérito no STJ. Ele afirmou que recebia ordens apenas de seu superior imediato, o secretário de Saúde, Edmar Santos, e que não fazia parte do gabinete de crise montado por Wilson Witzel por conta da Covid-19. Disse não ter integrado nenhuma reunião sobre a construção dos hospitais de campanha, mas que participara do processo de compra de respiradores.

O último a depor como testemunha da acusação foi o ex-subsecretário de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento Ramon de Paula Neves, que se declarou amigo de Witzel e por isso foi ouvido como informante.

Todas as testemunhas da acusação que depuseram nesta quinta-feira são suspeitas de pertencer ao esquema de corrupção, que teria causado dano de R$ 500 milhões na Saúde do Rio de Janeiro durante o governo Witzel.

O Tribunal Especial Misto é composto pelos desembargadores Teresa Castro Neves, Maria da Glória Bandeira de Mello, Inês da Trindade, José Carlos Maldonado e Fernando Foch e pelos deputados estaduais Waldeck Carneiro (PT), relator do processo, Alexandre Freitas (Novo), Chico Machado (PSD), Dani Monteiro (PSol) e Carlos Macedo (REP).

Witzel alega que não cometeu nenhum crime e disse que provará sua inocência ao longo do processo.

.

.

.

Agência Brasil

mais lidas