Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Colunistas

Telegram vira alvo do TSE

Publicado

em

Telegram vira alvo do TSE

Por Rodrigo Constantino

Telegram vira alvo do TSE

 

 

 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estuda proibir o funcionamento no Brasil do aplicativo de mensagens Telegram, supostamente como parte das ações de combate às notícias falsas durante as eleições. Segundo a corte, “nenhum ator relevante no processo eleitoral de 2022 pode operar no Brasil sem representação jurídica adequada, responsável pelo cumprimento da legislação nacional e das decisões judiciais”.

A justificativa para a censura está dada: o Telegram seria um ambiente “anárquico”, terra sem lei, que permitiria a atuação de milícias digitais extremistas que ameaçam nossa democracia. Na prática, não é nada disso. Se o Telegram fosse um ambiente de criminosos, o TSE teria de provar tal acusação e mostrar os crimes. Na verdade, o crime é a censura, são os inquéritos ilegais do STF, a perseguição promovida contra conservadores nas redes sociais.

Barroso é alguém que considerava o terrorista Cesare Battisti um inocente, o condenado por abuso sexual João de Deus alguém com poder transcendental, e garante que as urnas que foram violadas são invioláveis. Nesse caso, o ministro preferiu atirar no mensageiro, o presidente Bolsonaro, que deu publicidade ao inquérito da Polícia Federal sobre a invasão do hacker. Já o ministro Fachin é alguém simpático ao MST, um movimento criminoso de extrema esquerda, e fez campanha para Dilma Rousseff. Essa é a turma que quer o controle sobre o tal combate às Fake News e aos discursos de ódio.

O pior é que jornalistas aplaudem! Com o advento das redes sociais, a bolha esquerdista na mídia furou. A velha imprensa tinha quase uma hegemonia de esquerda, e esses militantes disfarçados de jornalistas não se conformam de ter perdido esse monopólio das narrativas. Lutam desesperadamente para o retorno da reserva de mercado de antes. Pressionam as redes sociais, que acabam cedendo, até porque seus funcionários normalmente possuem visão de mundo semelhante. O Telegram resiste.

E por isso é alvo. Estão todos unidos para garantir um ambiente controlado de “debate”, ou seja, apenas nuanças dos cinquenta tons de vermelho. A tática é chamar de terraplanista quem ousa questionar os dogmas desse clubinho. Trata-se de um espantalho criado para justificar a censura. Não há qualquer apreço pela liberdade de expressão, e esses “democratas tolerantes” são os mais totalitários e intolerantes de todos.

Se banirem mesmo o Telegram, autoridades brasileiras seguirão o mesmo caminho de países como Rússia, Azerbaijão, Bahrein, Belarus, China, Coréia do Norte, Cuba, Indonésia, Irã, Paquistão e Tailândia. Todos são exemplos de democracias sólidas com ampla liberdade de expressão, claro. Não importa o quanto Barroso e companhia tentem mascarar com fala mansa e expressões bonitas seu discurso: a realidade é que estão promovendo a pura censura para manipular as eleições a favor da esquerda.

 

 

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

mais lidas