Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Polícia

‘Sentimento é de impotência’, diz repórter agredido por policial militar na rua

Publicado

em

'Sentimento é de impotência', diz repórter agredido por policial militar na rua

Policial pegou celular do repórter do SBT e jogou no chão. Comando da PM diz que vai apurar conduta do policial.

Repórter escreveu em sua página pessoal que está indignado (Foto: Reprodução/Facebook)

Repórter escreveu em sua página pessoal que está indignado (Foto: Reprodução/Facebook)

‘Estou indignado. Em 10 anos de profissão nunca passei por isso. O sentimento é de impotência”. Assim o repórter Márcio Adalto, da equipe de jornalismo agredida por policial durante cobertura de audiência em Urânia (SP), na terça-feira (1º), desabafou nas redes sociais sobre o episódio em que teve o celular quebrado.

A audiência era para testemunhas de acusação, inclusive policiais federais, contarem à Justiça sobre as investigações de desvios de verbas federais feitas pelo ex-prefeito de Urânia, Francisco Airton Saracuza.

A equipe de reportagem do SBT Interior, que cobre a região noroeste paulista, foi impedida de filmar, na rua, a chegada dos réus ao Fórum. (VEJA VÍDEO ABAIXO)

Em nota, a Polícia Militar disse que havia uma ordem verbal da Justiça para que a PM impedisse que a imprensa fizesse imagens no local e que a rua estava interditada. O comando diz que vai apurar a conduta do policial.

Equipe de jornalistas é agredida por policial durante cobertura de audiência em Urânia

Equipe de jornalistas é agredida por policial durante cobertura de audiência em Urânia

A equipe registrou boletim de ocorrência já que confiscar aparelho de jornalista com MTB é crime de constrangimento ilegal, de acordo com o artigo 222 do Código Penal Militar (CPM). “Fora o dano material e o abuso de autoridade”, diz Márcio Adalto. Ele e o departamento jurídico da emissora devem se reunir nesta sexta-feira (4) para resolverem o que será feito judicialmente.

Adalto contou ao G1, nesta quinta-feira (3), que ele e o cinegrafista Ever Centurion eram os únicos da imprensa no Fórum para fazer a cobertura da audiência e que em nenhum momento ninguém os alertou sobre a proibição de filmagens ou entrevistas.

“Quando chegamos havia dois cavaletes que impediam o trânsito de veículos, mas nenhuma faixa que impedisse a passagem de pessoas ou aviso que não poderíamos estar ali. Além disso, antes do ocorrido, entrevistamos o advogado de defesa e fizemos imagens da fachada. Os policiais estavam lá, eu os cumprimentei, eles viram a gente gravando e não falaram nada.”

O repórter diz que não recebeu nenhuma notificação por escrito da Justiça nem da Polícia Militar. “Se tivesse alguma proibição formal eles teriam nos impedido antes, mas só quando chegou a viatura que carrega presos é que, do nada, veio o sargento dizendo que não podia fazer imagens”, lembra.

Ele diz que o policial segurou a câmera do cinegrafista e sua reação foi filmar com celular. “No ímpeto peguei meu celular para gravar o flagrante, aquele abuso. Comecei a gravar e foi aí que tudo aconteceu. Foi muito rápido, questão de 10 segundos, difícil descrever com palavras, mas fiquei indignado demais. A calma do cinegrafista me trouxe uma calma que não tenho, caso contrário poderia estar preso, com certeza.”

Adalto agradeceu a solidariedade da imprensa, dos órgãos ligados a ela e aos colegas de profissão. “Agradeço aos colegas de profissão que repudiaram o ato, em especial aos amigos da imprensa de Santa Fé do Sul, Brasília, e ao importante gesto da TV TEM. Essa união é o que nos motiva a prosseguir. Sempre”, escreveu.

Entenda

Saracuza e funcionários de confiança da prefeitura foram presos no início deste ano depois de os agentes descobrirem a falta de dinheiro dos cofres da prefeitura.

Na primeira audiência do caso, na terça-feira (1º), um policial que fazia a escolta dos réus na chegada ao Fórum impediu que o repórter cinematográfico fizesse imagens, na rua, da chegada do carro da polícia. O PM segurou o equipamento do cinegrafista durante todo o tempo.

Com o cinegrafista impedido pelo policial, o repórter, então, começou a filmar pelo celular. O policial pegou o celular dele e jogou no chão. O aparelho quebrou.

Policial e repórter brigam para pegar o celular no chão (Foto: Reprodução/TV TEM)

Policial e repórter brigam para pegar o celular no chão (Foto: Reprodução/TV TEM)

Repúdio da imprensa

O SBT Interior disse que repudia qualquer ato violento que interfira na liberdade de imprensa de qualquer veículo de comunicação.

A Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) emitiu nota em que diz que é inaceitável que profissionais de comunicação sejam agredidos e intimidados por policiais militares durante cobertura jornalística e pede às autoridades rigorosa apuração dos fatos.

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) publicou nota em que lamenta o ocorrido, que condena a atitude do policial e que a violência contra jornalistas é também um atentado ao direito à informação.

mais lidas