Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Senado inclui na pauta de votação reajuste para ministros do STF e procurador-geral

Publicado

em

Senado inclui na pauta de votação reajuste para ministros do STF e procurador-geral

Propostas foram aprovadas pela Câmara ainda em 2016 e preveem que salários passarão de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil. Presidente do Senado ainda terá de designar relator.

O Senado decidiu nesta terça-feira (6) incluir na pauta de votação a análise de dois projetos que preveem reajuste para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e para o procurador-geral da República.

Na prática, com a decisão, o reajuste já pode ser votado no plenário a partir desta quarta-feira (7).

Para a votação acontecer, porém, o presidente da Casa, Eunício Oliveira (MDB-CE), terá de designar um senador para relatar os projetos em plenário. Ou seja, deverá opinar favoravelmente ou contrariamente ao reajuste. Depois disso, o texto será votado.

Entenda

Apresentados pelo STF e pela PGR, os dois projetos foram aprovados pela Câmara em 2016.

Os textos preveem que, a partir de junho de 2016, os salários de ministros do STF e do procurador-geral da República passariam de R$ 33,7 mil para R$ 36,7 mil e, a partir de janeiro de 2017, R$ 39,2 mil.

Caberá ao relator designado por Eunício Oliveira propor a partir de quando os reajustes vão valer ou se a diferença acumulada até a aprovação do projeto será paga de forma retroativa.

Opiniões dos senadores

Nas comissões do Senado, as propostas receberam opiniões favoráveis e contrárias de senadores.

Na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), o senador Valdir Raupp (MDB-RO), por exemplo, posicionou-se favoravelmente ao reajuste.

“É sabido que a remuneração dos membros do STF encontra-se defasada, sendo que o reajuste proposto será escalonado em dois momentos, como mencionamos no relatório, e ainda não reporá o total da perda remuneratória dos últimos anos”, afirmou.

Ricardo Ferraço (PSDB-ES), por outro lado, disse ser contrário à concessão do reajuste.

“O reajuste do subsídio do ministro do Supremo Tribunal Federal resultará em um impacto bilionário nas contas públicas da União, dos estados e dos municípios. A partir da sua aprovação, abre-se a porta para que sejam reajustados todos os demais salários no setor público”, declarou Ferraço.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) criticou a forma como o pedido de inclusão em pauta foi aprovado pelo Senado nesta terça, sem discussão e com rapidez, afirmando que foi na “surdina”.

mais lidas