Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

São Paulo está entre as cidades mais desiguais no acesso a emprego

Publicado

em

São Paulo está entre as cidades mais desiguais no acesso a emprego

Brancos e ricos trabalham e estudam mais próximos de casa

Estudo mostra que São Paulo é a cidade mais desigual do país quando o assunto é o acesso a emprego. As chances de um brasileiro da parcela dos 10% mais ricos na capital paulista morar perto do emprego superam em mais de nove vezes as probabilidades entre os 40% mais pobres. O instituto considera empregos mais acessíveis como aqueles disponíveis a uma distância de 30 minutos de caminhada de onde o trabalhador mora.

A informação está em diagnóstico apresentado hoje pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea). O levantamento aponta que o acesso à educação, ao emprego e à saúde nas 20 maiores cidades brasileiras se dá de forma desigual quando são analisadas pessoas de diferentes faixas de renda e grupos raciais. Segundo o geógrafo do Ipea Rafael Pereira, o estudo mostra que há um padrão: pessoas brancas e de renda mais alta têm acesso a essas oportunidades e serviços mais próximos de casa.

“Seja caminhando a pé, seja de transporte público, ou de bicicleta, essas pessoas têm facilidade muito maior de acessar oportunidades de emprego, saúde e educação. Essas desigualdades variam muito entre cidades no Brasil, mas são marcantes em praticamente todas”, afirma ele, que trabalhou em parceria com o Instituto de Políticas de Transporte & Desenvolvimento.

Segundo o pesquisador, as oportunidades de emprego estão concentradas nos centros urbanos, exigindo maiores deslocamentos e provocando maiores desigualdades.  A pesquisa explica que São Paulo tem uma concentração de oportunidades muito distantes entre centro e periferias.

Por outro lado, no Rio de Janeiro os 10% mais ricos têm três vezes mais empregos disponíveis a uma distância de 30 minutos de caminhada a partir de onde moram que os 40% mais pobres, o que pode estar relacionado à presença de comunidades pobres mais próximas da região central.

As desigualdades raciais também ficam claras quando os deslocamentos são analisados. Em Belo Horizonte, Curitiba e Campinas, a população branca tem uma oferta duas vezes maior de serviços de saúde de alta complexidade a uma distância a pé de até 60 minutos de suas residências que a população negra.

Rafael Pereira sugere que uma política de longo prazo que pode reduzir esse problema é o investimento em um desenvolvimento urbano que desconcentre as oportunidades, aumentando a presença de polos empregadores fora dos centros, em locais servidos por transporte público. “É saudável para as cidades distribuir melhor o centro econômico”, avalia ele. “Nas periferias das cidades, é possível encontrar desertos de oportunidades. Têm pessoas morando ali, mas elas têm oferta muito menor de serviços públicos de educação e de saúde, e a oferta de serviço de transporte público é mais limitado”.

O geógrafo explica que a pesquisa gerou um banco de dados que está disponível para gestores públicos, pesquisadores e cidadãos interessados. Tanto a íntegra do estudo como uma plataforma digital foram publicados na internet para permitir esse acesso.

A pesquisa faz estimativas de acessibilidade a pé e de bicicleta para as vinte maiores cidades do país, e por transporte público para sete capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Fortaleza, Porto Alegre e Curitiba.

Por outro lado, o pesquisador avalia que as políticas públicas de educação e de saúde foram mais bem sucedidas em capilarizar esses serviços. Com exceção de Brasília, a população das maiores cidades brasileiras gasta entre cinco e dez minutos de bicicleta para chegar até uma unidade de ensino médio mais próxima.

 

 

 

 EBC

mais lidas