Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Colunistas

Quando os valores se perdem

Publicado

em

Governo enviou 300 servidores para ajudar em buscas no Amazonas

Por Marcus Vinícius de Freitas*

 

Quando os valores se perdem

 

 

Já há algum tempo que o mundo tem passado por uma inversão de valores. O que parecia mal no passado, hoje é completamente aceitável. E o que era aceito no passado é atualmente repreensível. O fato é que, em muita coisa, houve uma evolução positiva, particularmente na proteção às minorias e aos mais vulneráveis da sociedade. A discriminação, o preconceito e o desrespeito a determinados grupos e pessoas se tornaram anátemas na sociedade moderna. E isto é bom. Por outro lado, coisas que deveriam continuar repreensíveis em razão da gravidade de suas consequências parecem ter-se tornado aceitáveis à sociedade, que assiste passiva a determinadas situações, sem cobrar efetivamente mudança ou responsabilização. Assim é com a questão da corrupção, o abuso de autoridade e o desrespeito à liturgia da função pública.

A judicilialização da sociedade e o ativismo judicial também têm transformado o Brasil numa casa de tolerância, onde as regras que, muitas vezes, já não são claras propositalmente, simplesmente desaparecem porque dependem da interpretação individualista, baseada no nome e sobrenome a ser julgado. Os brasileiros jamais deveriam esquecer-se da fatídica geringonça jurídica criada no impeachment de Dilma Rousseff em que, contrariando a letra da lei, aplicou-se uma penalidade diminuída permitindo-lhe  continuar a disputar eleitoralmente. Ou, ainda, o fato de num ano, um indivíduo ser considerado culpado e preso por corrupção e, dois anos depois, o julgamento ter sido substancialmente revertida sem qualquer alteração nas provas ou fatos existentes. Mudou a lei, os vários pedidos de habeas corpus ou os interesses eleitorais?

Uma sociedade com valores deturpados é um convite ao comportamento repreensível por parte daqueles que deveriam manter a liturgia do cargo e da função. Por se crerem melhor que os outros, indivíduos ocupando funções públicas podem crer-se detentores de direitos e privilégios exclusivos. O desrespeito ao cargo deve ser punido com o ostracismo social e o expurgo da função pública. Por meio do voto, o eleitor não pode premiar aqueles que abusaram deste sagrado instrumento de confiança. A lei da Ficha Limpa, que deveria ser celebrada como um dos marcos da legislação brasileira, corre o sério risco de, nas próximas eleições, ser escarnecida por algumas das candidaturas apresentadas por partidos políticos sem o mínimo compromisso com o futuro do País. O personalismo e o populismo são fatídicos para o Brasil.

É preciso, no entanto, um cuidado fundamental:  consistência e coerência na pregação e ação. A única coisa que permite atirar-se a primeira pedra é a incoerência entre a fala e a ação. Corremos o risco de sermos culpados pelo pecado de dois pesos e duas medidas, se elegermos indivíduos irresponsáveis com a função pública que ocuparam porque consideramos seus pecados de menor importância. Esta inconsistência nos valores é ruim para a sociedade. O maior erro de um país é premiar positivamente quem não merece. Na hora do voto, o eleitor deve levar isto em consideração, pois a flexibilidade, à la carte,  nos valores e na justiça é o maior de todos os males de uma sociedade.  Um velho provérbio chines afirma: “Somente os tolos exigem perfeição, os sábios se contentam com a coerência”.

 

 

___________

Marcus Vinicius De Freitas
Professor Visitante, China Foreign Affairs University
Senior Fellow, Policy Center for the New South

mais lidas