Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

‘Profanada’, Catedral de Campinas passou por ritual de purificação histórico após ataque; entenda

Publicado

em

'Profanada', Catedral de Campinas passou por ritual de purificação histórico após ataque; entenda

Inaugurada em 1883, a igreja foi palco, 135 anos depois, da ação de um atirador que matou cinco pessoas e depois se suicidou. Ato é conhecido como ‘Rito de Desagravo’.

A Catedral Metropolitana de Campinas (SP) precisou passar por um “ritual de purificação” após o ataque de 11 de dezembro. Inaugurada em 1883, a igreja foi palco, 135 anos depois, da ação de um atirador que matou cinco pessoas e depois se suicidou. De acordo com a Arquidiocese, o ato é conhecido como “Rito de Desagravo” e deve ser realizado sempre que o templo for “profanado”.

“O Rito do Desagravo ocorre uma vez, na primeira celebração depois da profanação do templo. O monsenhor aspergiu [respingou] o altar [com água benta], as paredes e o povo”, destaca a instituição católica.

Missa marca reabertura da Catedral de Campinas após ataque de atirador, e igreja e fiéis passam por 'Rito do Desagravo' — Foto: Fernando Evans/G1

Missa marca reabertura da Catedral de Campinas após ataque de atirador, e igreja e fiéis passam por ‘Rito do Desagravo’ — Foto: Fernando Evans/G1

Monsenhor Rafael Capelato foi quem conduziu o rito. Com certeza, segundo ele, foi a primeira vez em décadas que ele foi realizado. Não houve nenhum acontecimento similar que justificasse o rito. O fato é histórico.

Dom Capelato não soube precisar, no entanto, se ele é inédito na história da Catedral. A igreja foi limpa e se preparou para a primeira missa após a tragédia.

“Sendo este um local sagrado, um espaço de Deus, violado pela violência, ele precisa passar por um desagravo, como nós dizemos. Eu tenho meditado: duplamente, o templo foi violado. O templo humano, que é o coração dessas pessoas que foram mortas, e o templo material, a nossa Catedral”, disse Dom Capelato antes da celebração, na quarta-feira (12).

Dom Rafael Capelato, monsenhor da Catedral, asperge água benta a igreja e o público, um dia após a tragédia. — Foto: Fernando Evans/G1

Dom Rafael Capelato, monsenhor da Catedral, asperge água benta a igreja e o público, um dia após a tragédia. — Foto: Fernando Evans/G1

‘O grande desastre’

Ainda durante a fase de construção, a Catedral de Campinas foi palco de um acidente considerado, à época, como o “grande desastre”. Autor de um livro sobre a história do templo e responsável pelo projeto de restauro do templo por 18 anos, Ricardo Leite conta que cinco trabalhadores morreram no dia 11 de janeiro de 1866.

“Era uma tarde chuvosa de janeiro, e os trabalhadores estavam escavando os alicerces para um dos pilares do que viria a ser a atual fachada da Catedral. Cinco pessoas trabalhavam em uma vala e foram soterradas”, conta.

Se o desastre de 1866 está retratado nas páginas do seu livro, “Catedral Metropolitana de Campinas, Um templo e sua história”, a tragédia ocorrida na tarde do dia 11 de dezembro de 2018 ainda é difícil de entender para o escritor.

“É muito impactante. Trabalhei lá durante 18 anos, aquilo tudo [a Catedral] era muito familiar. Uma das pessoas que morreu eu conhecia. Ele [Jose Eudes] vivia na frente da Catedral, conversava com ele todo dia”, completa.

Primeira missa na Catedral de Campinas após ataque que terminou com cinco fiéis mortos teve ritual de purificação. — Foto: Reprodução/EPTV

Primeira missa na Catedral de Campinas após ataque que terminou com cinco fiéis mortos teve ritual de purificação. — Foto: Reprodução/EPTV

mais lidas