Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Polícia

Presidente da Itália envia carta a Temer para agradecer decreto de extradição de Battisti

Publicado

em

Presidente da Itália envia carta a Temer para agradecer decreto de extradição de Battisti

O presidente da Itália, Sergio Mattarella, enviou uma carta ao presidente Michel Temer agradecendo ao chefe de Estado brasileiro pela decisão de assinar o decreto que determina a extradição do italiano Cesare Battisti ao país europeu.

Na carta divulgada no Twitter pelo governo italiano, Mattarella afirmou que o gesto de Temer é “um testemunho significativo da amizade antiga e sólida entre o Brasil e a Itália”.

O presidente da Itália ressaltou na mensagem que o caso Cesare Battisti é “complexo e delicado” e “desperta sentimentos de participação na opinião pública” italiana (leia a íntegra da carta traduzida ao final desta reportagem).

Nesta sexta-feira (14), o presidente brasileiro determinou que o italiano seja extraditado para a Itália. A decisão foi tomada um dia após o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), revogar uma liminar (decisão provisória) que impedia a extradição de Battisti até que o Supremo voltasse a analisar o caso. O magistrado também decretou a prisão do italiano, que é considerado foragido pela Polícia Federal (PF).

Decreto assinado pelo presidente Michel Temer autorizando a extradição de Battisi — Foto: Reprodução/'Diário Oficial'Decreto assinado pelo presidente Michel Temer autorizando a extradição de Battisi — Foto: Reprodução/'Diário Oficial'

Decreto assinado pelo presidente Michel Temer autorizando a extradição de Battisi — Foto: Reprodução/’Diário Oficial’

“Senhor presidente, quero expressar meu mais sincero agradecimento pela decisão de Vossa Excelência sobre o caso do cidadão italiano Cesare Battisti, definitivamente condenado pela Justiça italiana por crimes gravíssimos e que até hoje se subtraiu à execução das relativas sentenças”, escreveu a Temer o presidente da Itália em trecho da carta enviada ao Palácio do Planalto.

Mattarella disse ainda ter apreciado muito a decisão do colega brasileiro, que, segundo ele, “ajuda a levar justiça às vítimas dos crimes pelos quais Battisti foi condenado na Itália.

“Na renovação dos sentimentos de amizade, a gratidão do nosso país, a minha pessoal, aproveito esta oportunidade para enviar-lhe meus melhores cumprimentos, juntamente com fervorosos votos para a iminente festividade”, concluiu o presidente italiano na carta.

View image on Twitter
Presidente da Itália envia carta a Temer para agradecer decreto de extradição de Battisti

Quirinale

@Quirinale

Caso #CesareBattisti, il Presidente #Mattarella ha inviato al Presidente della Repubblica Federativa del #Brasile Michel #Temer il seguente messaggio:

Entenda o caso Battisti

Escritor e ex-integrante da organização de esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), Cesare Battisti é considerado foragido pelas autoridades brasileiras — Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

Escritor e ex-integrante da organização de esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), Cesare Battisti é considerado foragido pelas autoridades brasileiras — Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

  • A novela de Cesare Battisti no Brasil teve início durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010). O italiano fugiu para o Brasil para evitar uma extradição para a Itália, onde ele foi condenado à prisão perpétua por conta de quatro homicídios ocorridos no país europeu na década de 1970 por motivos políticos
  • À época, Battisti fazia parte da organização Proletários Armados pelo Comunismo. Ele foi condenado pela Justiça italiana por quatro homicídios praticados entre 1978 e 1979 contra um guarda carcerário, um agente de polícia, um militante neofascista e um joalheiro de Milão (o filho do joalheiro ficou paraplégico, depois de também ser atingido). O italiano se declara inocente
  • Antes de fugir para o Brasil, Battisti passou por outros dois países. Em 1981, ele conseguiu fugir da penitenciária de Frosinone, perto de Roma, onde cumpria pena pela morte do joalheiro, e se refugiou na França. No ano seguinte, ele se mudou para o México
  • Battisti retornou para a França em 1990 e lá passou a atuar como escritor de livros policiais. Em 2005, ele decidiu deixar a Europa após o Conselho de Estado da França ter autorizado a extradição dele para a Itália. Logo em seguida, ele embarca para o Brasil
  • Em 2007, o italiano foi preso pela Polícia Federal no Rio de Janeiro e passou a cumprir prisão preventiva aguardando uma posição final sobre o pedido de extradição apresentado por Roma ao Palácio do Planalto
  • Battisti conseguiu obter do governo brasileiro, em 2009, o status de refugiado político, baseado no “fundado temor de perseguição por opinião política”, contrariando decisão do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare)
  • No fim de 2009, o STF julgou “procedente” o pedido de extradição feito pela Itália, entretanto, deixou a palavra final ao presidente da República
  • Lula negou a solicitação do governo italiano em 31 de dezembro de 2010, último dia do governo do petista. Battisti deixou a penitenciária da Papuda, em Brasília, em junho de 2011, após ficar quatro anos na cadeia à espera de uma posição das autoridades brasileiras sobre o pedido de extradição
  • A decisão de Lula gerou mal-estar diplomático com a Itália, que se estendeu pelo governo Dilma Rousseff
  • Roma não desistiu da extradição e retomou conversas com o Brasil após Temer chegar à Presidência em razão do impeachment de Dilma
  • No momento em que identificou as movimentações diplomáticas entre Brasil e Itália, a defesa de Battisti se antecipou e pediu ao Supremo uma liminar para impedir a entrega do italiano para as autoridades do país europeu. Na ocasião, Fux concedeu a liminar, a mesma que ele revogou nesta semana

Bolsonaro

Apesar de ainda não ter assumido a Presidência da República, o presidente eleito Jair Bolsonaro já estava dando sinais às autoridades de Roma de que, assim que tomasse posse, iria determinar a entrega do italiano.

Nesta sexta-feira, dia seguinte ao despacho de Fux que mandou prender Battisti, o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, comentou em uma rede social a decisão do magistrado brasileiro e disse que apreciaria se Bolsonaro ajudasse o governo da Itália “presenteando” com a entrega do ex-militante de esquerda.

“Darei grande valor ao presidente @jairbolsonaro se ele ajudar a Itália a ter justiça, “presenteando” Battisti com um futuro na sua terra natal”, declarou o ministro italiano no Twitter.

No mesmo dia, Bolsonaro respondeu a Salvini pelo Twitter em uma mensagem escrita em português e italiano.

“Obrigado pela consideração de sempre, Senhor Ministro do Interior da Itália. Que tudo seja normalizado brevemente no caso deste terrorista assassino defendido pelos companheiros de ideais brasileiros! Conte conosco!”

Leia a íntegra da carta enviada pelo presidente italiano a Temer:

Roma, 14 de dezembro de 2014

Senhor Presidente,

Quero expressar meu mais sincero agradecimento pela decisão de Vossa Excelência sobre o caso do cidadão italiano Cesare Battisti, definitivamente condenado pela Justiça italiana por crimes gravíssimos e que até hoje se subtraiu à execução das relativas sentenças.

O gesto de Vossa Excelência constitui o significativo testemunho da antiga e sólida amizade entre Brasil e Itália e revela a sensibilidade para com uma situação complexa e delicada, que suscita sentimentos de intensa participação na opinião pública do nosso País.

Tenho grande apreço pela determinação da decisão de Vossa Excelência, que contribui a fazer justiça às vítimas dos delitos pelos quais Cesare Battisti foi condenado pelo Estado italiano.

Ao reiterar-lhe os sentimentos de amizade e gratidão meus e do nosso País, aproveito a ocasião para trasmitir a Vossa Excelência as mais cordiais saudações e os melhores votos para as iminentes festividades.

mais lidas