Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Prefeito de SP sanciona reforma da Previdência municipal

Publicado

em

Prefeito de SP sanciona reforma da Previdência municipal

Servidores protestaram contra a mudança na legislação; contribuição dos funcionários públicos vai de 11% para 14%

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), sancionou nesta quinta-feira (27) a reforma da Previdência dos servidores municipais. O texto foi aprovado na quarta-feira (26), em segunda votação. Foram 33 votos favoráveis e 17 contra.

A proposta, de autoria do Executivo, fixa o aumento da alíquota de contribuição dos funcionários públicos de 11% para 14% e a criação de um sistema de previdência complementar para novos trabalhadores com remuneração superior ao teto de R$ 5,6 mil.

A Prefeitura diz que rombo na Previdência municipal é de R$ 5,4 bilhões. A previsão para 2019 era de R$ 6,1 bilhões. Com o aumento da contribuição dos servidores, a Prefeitura vai deixar de gastar aproximadamente R$ 400 milhões.

O prefeito disse que a mudança na Previdência não significa que haverá mais investimentos na cidade em 2019, isso porque o orçamento, segundo o prefeito, continua bastante apertado.

A votação foi marcada por protestos e confronto entre servidores e a Guarda Metropolitana Municipal.

O texto avaliado pelo Legislativo, porém, não é o mesmo que vinha sendo discutido desde o início do ano. De última hora, a gestão Bruno Covas (PSDB) enviou um substitutivo com duas alterações principais, o que fez com que a proposta precisasse passar novamente pelas comissões temáticas.

Um dos pontos mais polêmicos foi retirado do texto ao longo da discussão em primeiro turno: o artigo 29 que autorizava a Prefeitura a usar recursos de concessões e privatizações para, se necessário, bancar as aposentadorias.

Esse ponto quebrava uma promessa do ex-prefeito João Doria (PSDB), de que o dinheiro arrecadado com as desestatizações não seria usado para custear a máquina pública.

Após a aprovação, os servidores fizeram uma assembleia decidiram que vão entrar em greve a partir do dia 4 de fevereiro.

Do lado de fora da Câmara, a Guarda Civil Metropolitana (GCM) usou bombas de gás lacrimogêneo, spray de pimenta e balas de borracha para dispersar os manifestantes. Houve confronto, grades no entorno do edifício foram quebradas e pessoas ficaram feridas.

Manifestantes, a maioria servidores municipais, também jogaram objetos contra os guardas. A Polícia Militar foi acionada e se perfilou em frente aos guardas. Segundo a PM, por meio de sua assessoria de imprensa, policiais não participaram do confronto e não tem informações sobre pessoas detidas.

Servidores derrubam a grade e invadem a Câmara Municipal de São Paulo durante votação da reforma da Previdência municipalCâmara Municipal — Foto: Alex Xavier/Estadão Conteúdo

Servidores derrubam a grade e invadem a Câmara Municipal de São Paulo durante votação da reforma da Previdência municipal Câmara Municipal — Foto: Alex Xavier/Estadão Conteúdo

Protesto contra a reforma da Previdência em SP tem tumulto e repressão policial  — Foto: Reprodução/TV Globo

Protesto contra a reforma da Previdência em SP tem tumulto e repressão policial — Foto: Reprodução/TV Globo

Manifestante fica ferido em manifestação em frente a Câmara dos Vereadores — Foto: Walace Lara/TV Globo

Manifestante fica ferido em manifestação em frente a Câmara dos Vereadores — Foto: Walace Lara/TV Globo

Manifestante ferido em protesto contra a Reforma da Previdência Municipal, em SP — Foto: Reprodução/TV Globo

Manifestante ferido em protesto contra a Reforma da Previdência Municipal, em SP — Foto: Reprodução/TV Globo

mais lidas