Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Polícia

PF pede prorrogação de prisões em operação que investiga desvio de mais de R$ 5 milhões da Prefeitura de Jales

Publicado

em

PF pede prorrogação de prisões em operação que investiga desvio de mais de R$ 5 milhões da Prefeitura de Jales

Cinco pessoas foram presas na operação Farra do Tesouro por desvio de verba da saúde e da educação. Tesoureira e secretária da Saúde foram exoneradas após prisão.

A Polícia Federal pediu a prorrogação das prisões dos quatro suspeitos de desviar mais de R$ 5 milhões da prefeitura de Jales (SP), que foram presos durante a Operação Farra do Tesouro. A diretora financeira é suspeita de pagar contas pessoais e das empresas do marido com dinheiro público.

A PF pediu a prorrogação por mais cinco dias da prisão temporária de Simone Carpi Brandt e do marido dela, Marlon Brandt, irmã e cunhado da diretora financeira Érica Cristina Carpi de Oliveira. A PF pediu para a Justiça a prisão preventiva de Érica e do marido dela, Roberto Santos Oliveira.

Nesta quinta-feira (2), uma funcionária da prefeitura de Jales que trabalhava no mesmo setor da diretora financeira prestou depoimento na Polícia Federal. A PF também pediu novos documentos para a prefeitura, como o balanço do setor de pagamentos dos últimos 12 anos, tempo em que Érica ficou no cargo e bloqueou mais contas da acusada.

Advogados de defesa dos suspeitos disseram que vão ter acesso ao inquérito e só depois vão se pronunciar sobre o caso.

Casal Roberto Santos Oliveira e Erica Cristina Carpi Oliveira foi preso pela PF em Jales (Foto: Reprodução/Facebook)

Casal Roberto Santos Oliveira e Erica Cristina Carpi Oliveira foi preso pela PF em Jales (Foto: Reprodução/Facebook)

A prefeitura exonerou a secretária de Saúde, Maria Aparecida Martins, e a diretora financeira, Érica Cristina Carpi Oliveira, após elas serem presas pela PF. Além das duas, foram presos o marido de Érica, Roberto Santos Oliveira, a irmã Simone Carpi Brandt e o cunhado dela, Marlon Brandt.

Após prestar esclarecimentos, a Justiça revogou a prisão de Maria Aparecida, que alegou ser negligente ao assinar cheques em branco e deixá-los sob os cuidados da tesoureira.

O esquema

Dinheiro e cheques apreendidos pela PF na prefeitura e na casa da tesoureira (Foto: Divulgação/Polícia Federal)

Dinheiro e cheques apreendidos pela PF na prefeitura e na casa da tesoureira (Foto: Divulgação/Polícia Federal)

Segundo a PF, Érica era responsável por realizar todos os pagamentos da prefeitura. A tesoureira emitia cheques da prefeitura, pagava boletos bancários das empresas do marido, e até transferia valores diretamente das contas públicas, principalmente da área da saúde, em benefício próprio, de seus familiares, fornecedores pessoais e de empresas.

“Ela criava as contas com recursos de saúde. Para que os cheques fossem emitidos, precisava da assinatura da tesoureira e da secretária. Em depoimento, a secretária não exime a responsabilidade de negligência, mas não identificamos que ela foi beneficiada. Então, pedi que fosse revogada a prisão temporária apenas dela”, diz o delegado.

Os valores desviados eram ocultados em bens móveis e imóveis, além de financiar as empresas que foram abertas nas cidades de Jales e Santa Fé do Sul (SP).

Veículos apreendidos pela PF durante operação Farra do Tesouro em Jales (Foto: Janaína de Paula/TV TEM)

Veículos apreendidos pela PF durante operação Farra do Tesouro em Jales (Foto: Janaína de Paula/TV TEM)

As investigações da PF começaram no início deste ano. Segundo a PF, há vários anos, a tesoureira seria a mentora do esquema de desvios. Ela foi contratada em 2005 para trabalhar na prefeitura sem concurso público. Ela e vários parentes seriam os principais beneficiários dos recursos desviados.

A polícia localizou cheques emitidos da conta do setor de Saúde da prefeitura, assinados pela tesoureira e pela secretária da Saúde, tendo como beneficiários boutiques de grife, lojas de joias e decoração, salões de beleza, salões de festas, arquitetos, clínicas estéticas, móveis planejados.

As investigações apontaram que, somente nos últimos dois anos, ela teria desviado aproximadamente R$ 2 milhões. Os 13 mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas residências dos presos, nas empresas do marido da tesoureira e também nas residências dos secretários da Fazenda e Saúde.

Vida de luxo

O casal preso pela PF é suspeita de pagar até buffet com dinheiro público, conforme divulgou a polícia. Segundo a investigação da PF, foram localizados cheques emitidos da conta da Saúde da prefeitura, assinados pela tesoureira e pela secretária da Saúde, tendo como beneficiários boutiques de grife, lojas de joias e decoração, salões de beleza, salões de festas, arquitetos, clínicas estéticas, móveis planejados.

Na internet, a família da tesoureira exibia uma vida de luxo. Festas, aniversários com camisetas personalizadas e fins de semana em uma chácara na Zona Rural de Jales que, segundo a PF, é avaliada em R$ 1,5 milhão e teria sido construída com dinheiro desviado dos cofres públicos. Durante a operação, a PF encontrou cerca de R$ 16 mil em dinheiro no quarto da irmã de Érica.

Polícia Federal em frente à casa da tesoureira da prefeitura de Jales (Foto: Janaína de Paula/TV TEM)

Polícia Federal em frente à casa da tesoureira da prefeitura de Jales (Foto: Janaína de Paula/TV TEM)

Policial federal lacrou loja de sapatos da tesoureira em Jales durante operação Farra do Tesouro (Foto: Rafael Honorato)

Policial federal lacrou loja de sapatos da tesoureira em Jales durante operação Farra do Tesouro (Foto: Rafael Honorato)

mais lidas