Siga nossa Redes

Política

Pazuello diz que Manaus terá prioridade no recebimento de doses da vacina de Oxford

esportes

Publicado

em

Pazuello diz que Manaus terá prioridade no recebimento de doses da vacina de Oxford

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que Manaus terá prioridade e deverá receber 5% dos 2 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca produzidas no Instituto Serum, na Índia.

À capital do Amazonas – que vive um colapso no sistema de saúde por causa da pandemia de Covid-19 –, seriam enviadas, portanto, 100 mil doses.

A carga do imunizante de Oxford chegou nesta sexta-feira (22) ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo, com cinco dias de atraso. A previsão inicial era que o desembarque ocorresse em 17 de janeiro, mas a Índia não liberou o envio ao Brasil (leia mais abaixo).

Avião com 2 milhões de doses da vacina de Oxford contra Covid chega da Índia

Avião com 2 milhões de doses da vacina de Oxford contra Covid chega da Índia

“A carga [que chegou nesta sexta] será encaminhada para a [Fundação Oswaldo Cruz] Fiocruz, que vai preparar toda a etiquetagem e a conferência do material recebido. Os lotes serão separados a partir de amanhã [sábado], quando estiverem prontos. Provavelmente, no fim do dia iniciamos o transporte para todos os estados do nosso país”, afirmou Pazuello.

“Damos prioridade nesse momento para o estado do Amazonas, principalmente, a capital Manaus, que vive uma situação mais crítica no nosso país”, disse.

Citando o acerto firmado nesta quinta-feira (21) por ao menos 22 governadores, o ministro afirmou: “E essa prioridade fica evidente a partir de um acordo com os governadores, onde 5% dessa primeira carga vai ser destinada aonde está o maior risco do país, que está em Manaus”.

Ele disse ainda que todos os estados receberão doses da vacina de Oxford 24 horas após o início da distribuição:

“Contem conosco. Vamos ficar juntos. O nosso país jamais será dividido. Nenhum brasileiro é mais importante do que o outro, nenhum estado é mais importante do que o outro. Todos receberão o seu material, as suas vacinas num período de 24 horas, aproximadamente, após o início da distribuição”.

Dificuldades na importação

 

O governo indiano havia suspendido a exportação de doses até iniciar seu próprio programa doméstico de imunização, no fim de semana passado.

No início desta semana, a Índia enviou carregamentos gratuitos a países vizinhos, incluindo Butão, Maldivas, Bangladesh e Nepal.

O Brasil vinha enfrentando dificuldades para liberar a carga de 2 milhões de doses que comprou do Instituto Serum. Nesta quarta (20), o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse que não havia prazo para receber o carregamento, mas negou que problemas políticos e diplomáticos com a Índia tenham atrasado a entrega.

Na semana passada, após expectativa de que as vacinas fossem enviadas para o Brasil, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia, Anurag Srivastava, afirmou que era muito cedo para dar respostas sobre exportações das vacinas produzidas no país, já que a campanha nacional de imunização ainda estava só começando.

Pouco depois, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, sem detalhar, que a viagem poderia ocorrer “daqui a dois, três dias”.

Finalmente nesta segunda-feira (18), Pazuello disse que a diferença de fuso horário complicava as negociações.

Ernesto Araújo fala chegada da vacina

 

Ernesto Araújo: ‘Momento especial para a parceira do Brasil com a Índia’

Ernesto Araújo: ‘Momento especial para a parceira do Brasil com a Índia’

Já nesta sexta, quando as doses finalmente chegaram, Araújo afirmou que tanto ele quanto Bolsonaro negociaram com as autoridades indianas para garantir a entrega das vacinas de Oxford.

“Este é um momento especial para todos os brasileiros, para o processo de vacinação. A chegada desses 2 milhões de doses provenientes da Índia reforça o nosso programa de vacinação e reforça também o momento especial de parceria entre o Brasil e a Índia”, afirmou o chanceler.

.

.

.

G1 – Globo.

Publicidade

mais lidas