Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Colunistas

Paul Quinn (Saxon) fala com o Diário de São Paulo

Publicado

em

Governo enviou 300 servidores para ajudar em buscas no Amazonas

Por Marcelo Emerson

 

Paul Quinn (Saxon) fala com o Diário de São Paulo

 

A indústria fonográfica mudou muito nas últimas décadas. Passamos de uma era em que a riqueza no mercado musical vinha principalmente com a venda de mídias físicas para uma época em que a música pode ser acessada via plataformas de “streaming”, o que acabou impactando profundamente toda a cadeia de negócios desse segmento, comprovando a ideia do filósofo Marshall McLuhan: “o meio é a mensagem”, ou seja, não é apenas o conteúdo que gera efeitos, mas a escolha do meio de difusão do conteúdo.

Divaguei um pouco na introdução do meu artigo porque quero exaltar o trabalho de uma banda seminal de um movimento que ocorreu no fim da década de 70 e início dos anos 80 (“New Wave of British Heavy Metal”) e que há quarenta anos toca um estilo de música conhecido como “heavy metal”, resistindo a todas essas mudanças.

Trata-se da banda Saxon, que no dia 4 de fevereiro lançou seu 25º álbum, “Carpe Diem”. No Brasil, saiu pela Heavy Metal Rock Records. Logo na estreia alcançou excelentes posições nas paradas (3º lugar na Alemanha e 17º na Inglaterra, por exemplo), disputando posições com pop e de hip hop, estilos com apelo comercial muito maior do que o “heavy metal”.

Os fãs brasileiros aceitaram muito bem o novo álbum do Saxon e este colunista conseguiu uma entrevista exclusiva com o lendário guitarrista Paul Quinn, que está na formação do Saxon desde os seus primeiros dias, em 1977. Agradeço imensamente ao Eliton Tomasi e à Suzy, da empresa Som do Darma, além do apoio da Heavy Metal Rock Records, que viabilizaram a entrevista

Com uma atitude atenciosa e tranquila (que contrasta com a visão estereotipada que muitos têm de um “rock star”), Paul Quinn nos atendeu para um bate-papo e que pudemos abordar alguns detalhes do novo álbum.

Comentei que o novo disco tem uma sonoridade que nos remete ao movimento msuical citado acima e perguntei se isso foi intencional.

Paul Quinn garantiu que não. “Talvez o novo álbum soe um pouco mais clássico, mas não é algo diferente do que vimos fazendo nos trabalhos mais recentes”.

Ele comentou ainda sobre um equilíbrio que há em “Carpe Diem entre músicas mais rápidas, mais pesadas e outras mais lentas: “parece a todos nós que o público ouvinte é mais ‘educado’ em diferentes estilos de música, então estamos tentando agradar a nós mesmos e garantir que eles gostem ao mesmo tempo. É meio que ‘andar na corda bamba’, mas parece que tem funcionado nos últimos 10 anos”.

Continuo com detalhes da conversa com Paul Quinn (Saxon) na coluna da próxima semana.

mais lidas