Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Economia

Participação dos Correios no mercado caiu, e União não tem como bancar eventuais prejuízos, diz ministro

Publicado

em

Participação dos Correios no mercado caiu, e União não tem como bancar eventuais prejuízos, diz ministro

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou nesta quarta-feira (20) que os Correios têm perdido participação no mercado de encomendas e que a tendência é o governo ter cada vez mais dificuldades de investir e manter a empresa competitiva, isso porque não terá como bancar eventuais prejuízos. Diante disso, defendeu a privatização da estatal.

Fábio Faria deu as declarações ao participar de uma audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, que analisa o projeto de privatização.

O processo de privatização já foi aprovado pela Câmara dos Deputados e agora depende do aval do Senado. A estimativa do governo é que o processo aconteça até julho de 2022.

“Diferentemente dos Estados Unidos, o governo brasileiro não tem condições de bancar R$ 20 bilhões por ano para manter a entrega de serviços postais. Isso não cabe nas contas da União, seria desastroso para todos funcionários”, declarou.

Aos senadores, o ministro das Comunicações citou empresas privadas que investiram no setor nos últimos anos e que, com isso, estão ganhando espaço no mercado de encomendas.

De acordo com o Ministério da Economia, os Correios eram responsáveis em 2019 por 43,6% dos serviços postais no Brasil. A participação, porém, caiu para 32% em 2020.

Segundo estudo encomendado pelo ministro das Comunicações, a empresa terá de investir R$ 2,5 bilhões ao ano para não perder mais participação no mercado.

Fabio Faria citou o caso da USPS norte-americana, empresa estatal que perdeu participação nas encomendas nos últimos ano, gerando necessidade de aportes por parte do governo.

Fábio Faria acrescentou ainda que o governo não tem como sustentar eventuais prejuízos dos Correios e que a privatização pode acontecer até julho do próximo ano.

Se aprovado pelo Senado, afirmou o ministro, o processo ainda tem de passar por consulta pública e pela aprovação do Tribunal de Contas da União (TCU).

.

.

.

.

.

G1

mais lidas