Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Educação

Pai de jovem agredido por PMs diz que filho não quer ir à escola: ‘Medo’

Publicado

em

Pai de jovem agredido por PMs diz que filho não quer ir à escola: 'Medo'

Direção da unidade de ensino diz que ele estava jogando pedras na escola.
Menor passou por exames de perícia nesta segunda-feira no IML de Santos.

Escola Estadual João Octávio dos Santos (Foto: Reprodução / TV Tribuna)

Escola Estadual João Octávio dos Santos, no litoral de SP (Foto: Reprodução / TV Tribuna)

O caso ocorreu no dia 23 de setembro, dentro da quadra da Escola Estadual João Octávio dos Santos, no Largo São Bento. Segundo a direção da escola, o pai do estudante foi acionado, assim como a PM, porque o aluno estaria jogando pedras na unidade de ensino. De acordo com o menor de idade, dois policiais militares o abordaram e ele foi agredido a golpes de cassetete em seguida.

Para o pai, o adolescente negou que estivesse envolvido em uma confusão e contou que pulou o muro da escola para tentar entrar na segunda aula. “Meu filho disse que não entrou na primeira aula e foi pular o muro para entrar na segunda. A diretora ligou para a base na frente da escola e disse que ele estava atirando pedras no colégio. Os PMs olharam e disseram que meu filho estava bagunçando na escola. Ele diz que não”, afirma.

Além disso, a vítima afirma que estava acompanhada de mais um colega, que correu ao notar a aproximação dos PMs. “Estava ele e mais um colega na quadra tentando entrar, quando viram os PMs. O colega dele correu e meu filho ficou. Ele falou que chamaram ele de vagabundo e começaram a bater nele”.

O adolescente foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) nesta segunda-feira (26) e foi submetido a exames de perícia. Em seguida, os documentos expedidos pela instituição foram levados até a delegacia onde o caso foi registrado. “Agora estou esperando notificação. Ele está mais calmo agora, mas continua com medo e diz que não quer voltar para a escola, mas ele não pode perder o ano”, conclui.

Em nota, a Secretaria de Educação afirmou que a polícia foi acionada porque pedras foram arremessadas na escola em horário de aula. Prezando pela segurança dos alunos, a vice-diretora pediu que a PM verificasse o que estava acontecendo.

Já a Polícia Militar emitiu uma nota afirmando que tomou conhecimento dos fatos e determinou a investigação para coleta de subsídios e outras informações, como a declaração do jovem e de seus familiares. Havendo o indicativo de conduta desconforme ou mesmo criminosa por parte de policiais militares em serviço, será instaurado inquérito policial militar e um processo administrativo para aplicação das penas disciplinares previstas em lei e apreciação pelo Poder Judiciário.

Bomba
Na segunda-feira, três dias após a agressão ter ocorrido na quadra do colégio, uma bomba de fabricação caseira explodiu dentro de uma sala da Escola Estadual João Octávio. De acordo com a polícia, ainda não é possível dizer que o ataque foi uma retaliação contra a ação da Polícia Militar. Ninguém se feriu durante a explosão.

Famíliares do jovem estiveram no IML de Santos (Foto: Mariane Rossi/G1)

Jovem foi submetido a exames de perícia no Instituto Médico Legal de Santos (Foto: Mariane Rossi/G1)

mais lidas