Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Mundo

O caminho de um país para outro muda as pessoas’: veja sonhos e preocupações de venezuelanas em situação vulnerável que chegam ao Brasil

Publicado

em

O caminho de um país para outro muda as pessoas': veja sonhos e preocupações de venezuelanas em situação vulnerável que chegam ao Brasil

Iniciativas nos abrigos da Operação Acolhida em Roraima ajudam pessoas que chegam em situação ainda mais vulnerável ao país depois de fugirem de perseguição e de violações dos direitos humanos.

Mahttps://spdiario.com.br/wp-admin/post.php?post=177830&action=editis de 7 mil pessoas, a mahttps://spdiario.com.br/wp-admin/post.php?post=177830&action=editioria venezuelanos que cruzaram a pé a fronteira, aguardam nos abrigos da Opehttps://spdiario.com.br/wp-admin/post.php?post=177830&action=editração Acolhida em Roraima a chance de seguir viagem para outro estado do Brasil e ir adiante com uma nova vida.

Migrantes que deixam a Venezuela para pedir refúgio no Brasil são, por si só, vulneráveis. Mas mulheres em shttps://spdiario.com.br/wp-admin/post.php?post=177830&action=editituação de vulnerabilidade extrema recebem diferentes formas de ajuda — que vão de oficinas de capacitação ao envio preferencial a outro abrigo em outra parte do Brasil — para escapar da perseguição e das condições precárias em que viviam no país de origem.

Perla Sofía Hernández, de 21 anos, por exemplo, escapou da transfobia na Venezuela. O Brasil, país de destino, ainda é bastante problemático quando se trata de violência contra pessoas trans. No entanto, só de ter o nome social — Perla — na documentação, a jovem fã de design gráfico e animes se sente bastante aliviada.

Perla Sofía Hernández sonha em trabalhar com arte. Só no Brasil a jovem trans venezuelana pôde ver seu nome social registrado no documento — Foto: Fábio Tito/g1

Perla Sofía Hernández sonha em trabalhar com arte. Só no Brasil a jovem trans venezuelana pôde ver seu nome social registrado no documento — Foto: Fábio Tito/g1

“[A discriminação] é uma coisa horrível na Venezuela. Imagina: te maltratam, te atacam verbalmente. Às vezes até atacam fisicamente, tem gente que quer bater”, relata Perla.

 

Agora no Brasil, a jovem percebe que outros venezuelanos que fizeram o mesmo trajeto têm aprendido a conviver com a diferença. E isso a torna mais forte para seguir adiante no sonho de morar em São Paulo e se tornar uma desenhista.

Perla abraça uma amiga venezuelana no abrigo da Operação Acolhida onde vivem temporariamente, em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

Perla abraça uma amiga venezuelana no abrigo da Operação Acolhida onde vivem temporariamente, em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

“Uma coisa que me agrada bastante é ver como o caminho de um país a outro pode mudar a personalidade da pessoa, a maneira de pensar. É uma coisa que me emociona muito, porque imagino que vou conhecer mais venezuelanos que não têm esse tipo de preconceito.”

 

Uma nova casa para as mães venezuelanas

 

Mulheres que chefiam famílias numerosas também recebem atenção especial nos abrigos da Operação Acolhida. A elas, uma alternativa é pleitear a interiorização institucional — ou seja, quando o migrante solicitante de refúgio consegue ir a uma instituição parceira da agência da ONU para refugiados (Acnur) em outro estado com apoio do governo brasileiro.

Famílias venezuelanas acompanham comunicado sobre escolhidos para interiorização em tenda de um abrigo da Operação acolhida em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

Famílias venezuelanas acompanham comunicado sobre escolhidos para interiorização em tenda de um abrigo da Operação acolhida em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

A espera pode ser longa, mas, quando a convocação sai, os venezuelanos festejam muito. Choros e gritos de felicidade são ouvidos de longe. Infelizmente, quem não é chamado naquele momento lamenta ter que aguardar mais um tempo dentro dos abrigos em Roraima.

No dia em que o g1 visitou uma das unidades da Operação Acolhida em Boa Vista, Juleima Díaz, de 47 anos, recebia a notícia de que ela, os filhos, os genros e os netos — um total de 15 pessoas — foram selecionados para se mudarem para o Rio de Janeiro depois de um ano de espera. Lá, viverão temporariamente em um outro abrigo com ajuda de organizações. Será a primeira vez que todos eles viajarão de avião.

Com a felicidade estampada no rosto, a venezuelana Juleima fala sobre a expectativa da interiorização com a família — Foto: Fábio Tito/g1

Com a felicidade estampada no rosto, a venezuelana Juleima fala sobre a expectativa da interiorização com a família — Foto: Fábio Tito/g1

“Depois de um ano, saiu o que eu tanto queria. E eu vim de longe para buscar uma nova qualidade de vida para meus filhos, um bom estudo”, conta Juleima.

 

De abril de 2018, estreia da Operação Acolhida, até novembro de 2021, um total de 64.478 venezuelanos foram deslocados de Roraima para outros estados brasileiros. Só neste ano, foram quase 18 mil. O estado que mais recebeu migrantes foi o Paraná: 10.602 no total. Ao todo, 778 municípios abrigam ou abrigaram beneficiários da força tarefa.

Uma possibilidade de interiorização para os venezuelanos solicitantes de refúgio é a conquista de um emprego em outra cidade. Dentro dos postos de triagem da Operação Acolhida, há inclusive recrutadores que se voluntariam a entrevistar migrantes — que podem sair de lá já com um emprego.

Juleima e parte da família posam para foto diante da cabana onde foram abrigados pela Operação Acolhida, à espera do processo de interiorização — Foto: Fábio Tito/g1

Juleima e parte da família posam para foto diante da cabana onde foram abrigados pela Operação Acolhida, à espera do processo de interiorização — Foto: Fábio Tito/g1

Mas como colocar mães que precisam cuidar de tantos filhos dentro dos abrigos em uma situação de igualdade com outras pessoas que disputam vagas no mercado de trabalho? É aí que entram iniciativas como o Empoderando Refugiadas, que oferece oficinas às mulheres abrigadas.

Foi com os cursos de capacitação desse projeto que Lisviannys Verasmendy e Catherine Acevedo, ambas com 30 anos, conseguiram uma vaga em uma empresa de alimentos em Curitiba. As duas estão de mudança programada para o Paraná com os respectivos maridos e filhos.

Lisviannys Verasmendy, de 30 anos, e sua família no abrigo da Operação Acolhida em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

Lisviannys Verasmendy, de 30 anos, e sua família no abrigo da Operação Acolhida em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

“Fiquei em choque. Quando me contaram, não conseguia nem falar. Uma amiga me disse: ‘Amiga, reage, você tem um emprego’. E eu fiquei paralisada, e ela: ‘Amiga, é para você”, relembra Catherine.

“Lutei muito para chegar aqui no Brasil, e aqui vou dar uma nova vida para mim, meus filhos e minha família na Venezuela. Foi um processo muito duro, mas, graças a Deus, já estamos aqui e vamos seguir adiante”, diz Lisviannys, que sonha em abrir um restaurante.

Catherine Acevedo, de 30 anos, e sua família abrigada pela Operação Acolhida em Boa vista — Foto: Fábio Tito/g1

Catherine Acevedo, de 30 anos, e sua família abrigada pela Operação Acolhida em Boa vista — Foto: Fábio Tito/g1

Por que elas estão aqui?

 

Para que um migrante obtenha a condição de refúgio, é preciso solicitar a condição à Polícia Federal, que encaminha cada caso para análise no Comitê Nacional para os Refugiados (Conare).

Esses casos são analisados conforme a legislação brasileira, que considera elegível para a obtenção do status de refugiado quando há fundado temor de perseguição por:

  • Opinião política
  • Grupo social
  • Religião
  • Nacionalidade
  • Raça

 

Mulher caminha com um bebê no colo entre as cabanas de um abrigo da Operação Acolhida em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

Mulher caminha com um bebê no colo entre as cabanas de um abrigo da Operação Acolhida em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

Quando se perguntam às mulheres venezuelanas nos abrigos as razões pelas quais cruzaram a fronteira rumo ao Brasil, muitas vezes elas dão explicações como a pobreza extrema no país comandado pelo regime chavista de Nicolás Maduro.

A migração econômica, por si só, não é uma condição para o refúgio. Porém, o caso da Venezuela é outro: em 2019, o Conare declarou o país vizinho em situação de grave e generalizada violação de direitos humanos, que, pela lei brasileira, se qualifica entre os casos que podem levar ao refúgio.

“Um simples desastre econômico se enquadraria? Não. Mas na Venezuela existem além disso prisões arbitrárias, perseguição contra a população LGBT, perseguição contra familiares de dissidentes, e outros. É muito mais do que a simples falência do estado”, explica Bernardo Laferté, diretor geral do Conare.

Mulher passa com uma criança no colo diante do Posto de Triagem da Operação Acolhida, em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

Mulher passa com uma criança no colo diante do Posto de Triagem da Operação Acolhida, em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

Portanto, todo venezuelano que chega ao Brasil e pede refúgio tem mais chances de obter o reconhecimento desse status de refugiado. Foi isso que aconteceu com a Síria depois do acirramento da guerra em 2014. No entanto, o cidadão da Venezuela pode entrar também com pedido de residência, sem pedir refúgio.

“Quem tem que escolher se vai entrar ou não com o pedido de refúgio é o venezuelano. Cabe a nós explicarmos as diferenças para que eles tomem a decisão acertada”, afirma Laferté.

Enquanto aguardam a obtenção do status de refugiado, os solicitantes recebem um protocolo que dá a eles todos os direitos dos residentes no Brasil. Só não têm as prerrogativas inerentes à cidadania brasileira, como o direito ao voto, nem devem deixar o país sem autorização prévia.

Mulher estende roupas lavadas no varal de um abrigo da Operação Acolhida em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

Mulher estende roupas lavadas no varal de um abrigo da Operação Acolhida em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

*Os repórteres viajaram a Boa Vista a convite do Acnur como premiação pelo especial ‘Saí para salvar minha vida’, publicado em 2019 e vencedor da categoria Acnur 70 anos do Prêmio CICV de Cobertura Humanitária em 2020.

Mapa em uma parede do Centro de Triagem da Operação Acolhida mostra números do processo de interiorização ao longo de 2021 — Foto: Fábio Tito/g1

Mapa em uma parede do Centro de Triagem da Operação Acolhida mostra números do processo de interiorização ao longo de 2021 — Foto: Fábio Tito/g1

Lição sobre sexualidade entre avisos aos abrigados em um espaço da Operação Acolhida em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

Lição sobre sexualidade entre avisos aos abrigados em um espaço da Operação Acolhida em Boa Vista — Foto: Fábio Tito/g1

.
.
.
G1

mais lidas