Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Colunistas

Novas palavras para um velho dicionário

Publicado

em

Fernanda Trigueiro

Por Fernanda Trigueiro

Novas palavras para um velho dicionário

 

Vivendo e aprendendo. Este é o lema. Palavras sábias e verdadeiras, mas que não funcionam para todo mundo. Talvez você conheça alguém que pense ou tenha certeza que sabe de tudo. Não há nada mais chato. O sujeito pode não ter domínio do assunto e até não conhecer nada sobre o tema, mas nunca dá o braço a torcer.  Para ele não existe “não sei”. Uma expressão tão comum, mas desconhecida no dicionário dos sabichões.

“Não” e “sei”, as duas palavras conectadas receberam o rótulo de ignorância e burrice. Mas no fundo não é verdade. Juntas, significam “renovação”. Afinal só cresce e aprende quem não tem medo de dizer que não sabe. Não saber não te fará menos que ninguém. Ao contrário, quando você humildemente diz “não sei” tem a oportunidade de aprender e crescer.

O sabe-tudo não sabe nada, assim como aquele que sempre tem algo a contar. Este é um outro tipo de gente difícil de conviver.  Um exemplo típico é quando você quer desabafar sobre sua dor ou sobre uma situação triste em que está enfrentando. O indivíduo não consegue apenas ouvir, precisa rebater. Vai te contar uma história cheia de julgamentos e até um fato “pior” pra te consolar. Só que dor não se coloca na balança e um “sinto muito” nestas horas cai muito bem. É a melhor resposta para quem precisa ser acolhido. Ouvir uma “lição de moral” não vai ajudar e nem aliviar a agonia de quem sofre.

Já a empatia é capaz de transformar. Pode não trazer a solução, mas é como aquele abraço que a pessoa tanto precisava ou como aquele “confia, vai dar certo, estou aqui para você”.

“Sinto muito” é a mais pura demonstração de amor e o “não sei”, a frase mais inteligente que existe. Já tinha pensado nisso? Caso não, que a partir de agora ambas sejam mais presentes no seu vocabulário e nas suas relações. Jamais tenha vergonha de dizer que não sabe e crie o hábito de ouvir uma história sem aquela necessidade de “dizer algo”.

Acolha, ofereça o ombro e se solidarize com quem está ao seu lado. Você foi escolhido. Sinta-se privilegiado por ser um ouvinte. E não se esqueça nunca é tarde. Só paramos de aprender quando deixamos de viver.

 

__________________

*Fernanda Trigueiro é uma jornalista apaixonada por pessoas e suas histórias.
Repórter de TV por opção, mas uma escritora por vocação. Vê a notícia além da manchete e dos números.

 

mais lidas