Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

MPF denuncia executivos da Trafigura por esquema criminoso de trading na Petrobras por corrupção e lavagem de dinheiro

Publicado

em

MPF denuncia executivos da Trafigura por esquema criminoso de trading na Petrobras por corrupção e lavagem de dinheiro

Denúncia foi apresentada nesta sexta-feira (14); investigados são acusados de envolvimento no esquema de compra e venda de petróleo e derivados – citado na 57ª fase da Lava Jato.

O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia, nesta sexta-feira (14), contra o ex-executivo da multinacional Trafigura Mariano Marcondes Ferraz, o representante da empresa no Brasil Márcio Pinto de Magalhães e mais dois investigados na 57ª fase da Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro.

Mariano Marcondes Ferraz já tem uma condenação pela Lava Jato a dez anos de prisão por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Ele é acusado de pagar propina de US$ 868.450,00 para que a empresa Decal do Brasil renovasse contrato com a Petrobras. Ele foi preso em outubro de 2016 e dias depois pagou fiança de R$ 3 milhões para deixar a prisão.

Os outros três denunciados foram presos na atual fase da Lava Jato.

Segundo a força-tarefa, todos são acusados de envolvimento em esquema de corrupção e lavagem de ativos em 31 operações de compra e venda de petróleo e derivados, conhecida como trading, entre a Trafigura e a Petrobras.

O esquema de corrupção em operações de trading de óleo combustível na Petrobras em favor da Trafigura foi mantido por pelo menos seis anos e há indícios de que atualmente estavam sendo praticados, ressalta o MPF.

A atual fase da Lava Jato, batizada de “Sem Limites”, investiga o suposto pagamento de US$ 31 milhões – R$ 119 milhões – em propinas a funcionários da Petrobras por empresas que atuam na compra e venda de petróleo e derivados.

Ao todo, foram registradas 31 operações de compra e venda de óleo de combustível entre a Petrobras e a Trafigura que envolveram o pagamento de propinas de aproximadamente US$ 1,5 milhão de dólares, segundo a denúncia.

As propinas, de acordo com os procuradores do MPF, foram pagas ao ex-gerente de comércio externo de óleos combustíveis da petrobras pelos executivos da Trafigura, com o objetivo de obter facilidades, preços mais vantajosos e operações de trading de óleo combustível e derivados de petróleo com maior frequência.

Os pagamentos foram realizados por intermédio de operadores financeiros que, que efetuavam operações de lavagem de ativos em contas ocultas no exterior e disponibilizavam, à margem do sistema oficial de câmbio, os pagamentos em espécie no Brasil ao funcionário público envolvido nos crimes. “Trata-se de tipologia de lavagem de ativos conhecida pelo nome de operação dólar-cabo”, afirmam os procuradores.

Veja todos os denunciados

  • Mariano Marcondes Ferraz – Ex-executivos do grupo Trafigura;
  • Marcio Pinto de Magalhães – Representante da Trafigura no Brasil e preso na 57ª fase da Lava Jato;
  • Carlos Henrique Nogueira Herz – intermediador de pagamento de vantagem indevida e preso na 57ª fase da Lava Jato;
  • Marcus Antonio Pacheco Alcoforado – ex-gerente da Área de Marketing e Comercialização da Petobras e preso na 57ª fase da Lava Jato.

A denúncia, ainda conforme o MPF, foi fundamentada em um “farto material probatório” apreendido na 44ª fase da Lava Jato.

Além da Trafugira, também são alvo da 57ª fase da Lava Jato as empresas Vitol e Glencore. As três juntas seriam responsáveis por US$ 15 milhões em propinas.

Os pagamentos estão relacionados a mais de 160 operações de compra e venda de derivados de petróleo e aluguel de tanques para estocagem, de acordo com as investigações.

O outro lado

O advogado Antônio Basto, que defende Mariano Marcondes Ferraz, disse que não vai comentar a denúncia.

G1 tenta contato com as defesas dos demais denunciados.

mais lidas