Siga nossa Redes

Mundo

Mortes nos EUA devem voltar a aumentar com quarta onda da pandemia

Redação SP

Publicado

em

Mortes nos EUA devem voltar a aumentar com quarta onda da pandemia

Programa da Universidade  de Massachusetts Amherst fez o prognóstico, que prevê mais casos a partir de 10 de abril

WASHINGTON — As mortes por Covid-19 nos EUA devem voltar a crescer, à medida em que o país se vê às voltas com uma nova onda de contaminações pelo coronavírus. Um pequeno aumento, revertendo semanas de declínio, poderá significar dezenas de milhares de mortes adicionais enquanto o país acelera sua campanha de vacinação, que já imunizou 29% dos americanos com a primeira dose, com mais de 145 milhões de doses aplicadas.

As internações estão aumentando novamente em metade do país, e os centros de controle e prevenção de doenças dos EUA alertaram que o país pode estar entrando em uma quarta onda da pandemia. Há semanas, especialistas indicavam que os números aumentariam novamente no fim de março, diante da disseminação global das novas variantes mais contagiosas e do fim das medidas restritivas em vários estados americanos.

De acordo com o Covid-19 Forecast Hub, um programa da Universidade de Massachusetts Amherst, as mortes devem cair para 6.028 na semana encerrada em 10 de abril, antes de aumentar ligeiramente. Essa previsão foi atualizada nesta terça-feira, e é baseada em dezenas de modelos independentes, projetando cenários para até quatro semanas no futuro.

Especialistas em saúde pública esperavam que a vacinação significasse um declínio constante nas mortes, mas esse cenário não está se confirmando. Um platô em torno de mil mortes por dia se traduz em cerca de 30 mil mortes por mês — e muito mais até 4 de julho, o Dia da Independência do país, quando o presidente Joe Biden disse que o país poderia retornar a uma aparente normalidade.

Ainda assim, a vacinação de quase três quartos da população com 65 anos ou mais deve evitar um aumento de mortes da magnitude que os EUA viram em ondas anteriores. Idosos nos EUA são responsáveis por quatro em cada cinco mortes pela Covid-19, e pelo menos 73% dos idosos receberam uma ou mais doses.

 

 

Por O Globo

Publicidade

mais lidas