Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Política

Moro pede explicações para defesa de Vaccarezza, solto há quase um ano sem pagar fiança de R$ 1,5 milhão

Publicado

em

Moro pede explicações para defesa de Vaccarezza, solto há quase um ano sem pagar fiança de R$ 1,5 milhão

No despacho publicado nesta segunda-feira (30), juiz menciona ‘vaquinha’ virtual para campanha e também pede manifestação do MPF

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, pediu, nesta segunda-feira (30), explicações para a defesa ex-deputado federal Cândido Vaccarezza sobre a fiança de R$ 1,5 milhão, que não foi paga quase um ano após ele ser solto.

Segundo o magistrado, a fiança não foi depositada sob a alegação de insuficiência financeira. No despacho, o magistrado cita que Vaccarezza, agora filiado ao Avante (SP), é pré-candidato a deputado federal e está arrecadando dinheiro por meio de uma vaquinha virtual para a campanha.

Além de pedir explicações à defesa do ex-deputado, em até três dias após notificação, Moro também pede a manifestação do Ministério Público Federal (MPF), no mesmo prazo.

A defesa de Vaccarreza informou, por telefone, que só vai se manifestar após ser notificado da decisão.

Relembre a prisão

Vaccarezza foi preso temporariamente, pelo prazo de cinco dias, durante a 44ª fase da Operação Lava Jato, batizada como “Abate”, em 18 de agosto de 2017.

Quatro dias depois, Moro mandou soltar o ex-deputado, com a determinação de algumas medidas cautelares e o pagamento de R$ 1.522.700,00 em fiança. Segundo a decisão, o pagamento deveria ser feito dez dias depois da saída dele da cadeia.

Para ter direito ao habeas corpus, ele assinou um termo de compromisso, garantindo que poderia depositar o dinheiro no prazo determinado por Moro. Ele deixou a cadeia no mesmo dia da decisão.

Veja os principais pontos das investigações da 44ª fase:

  • Ação apura o favorecimento de empresas estrangeiras em contratos com Petrobras.
  • A Operação Abate investiga fraudes no fornecimento de asfalto para a Petrobras por uma empresa norte-americana, entre 2010 e 2013.
  • Funcionários da Petrobras, o PT e, principalmente, Cândido Vaccarezza teriam recebido propinas que somam US$ 500 mil no esquema da Abate.
  • Ao menos 3% dos contratos com as empresas gregas, que superaram US$ 500 milhões, seriam propina para políticos, funcionários da estatal e operadores financeiros.
  • As investigações surgiram da delação do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

mais lidas