Siga nossa Redes

Esportes

Mestres do xadrez perdem até 6 mil calorias por dia em torneios

Redação SP

Publicado

em

Mestres do xadrez perdem até 6 mil calorias por dia em torneios

Nomes como Magnus Carlsen e Fabiano Caruana investem pesado na preparação física, que ajuda a manter o alto nível de jogo mesmo após muitas horas sentado em frente ao tabuleiro. Veja vídeo com dicas de exercícios para enxadristas

A preparação física antes de um torneio pode incluir musculação, natação e corrida. É preciso estar em forma para aguentar a demanda, que pode representar uma perda de até 6 mil calorias diárias durante uma competição. Se você imaginou a rotina de um atleta de futebol, vôlei, basquete ou qualquer outro esporte olímpico ou radical, se enganou. Estamos falando da vivência um jogador da elite do xadrez mundial. Mas como alguém pode passar horas sentado em frente a um tabuleiro e ainda assim perder mais peso do que alguém que pingou de suor numa quadra? A resposta pode envolver o nível de estresse, que altera o ritmo de respiração e a pressão sanguínea.

– Os grandes mestres sustentam uma pressão sanguínea elevada por horas no mesmo nível encontrado em corredores competitivos de maratona – disse o professor Robert Sapolsky, que estuda o estresse em primatas na Universidade de Stanford, em entrevista à ESPN americana.

Com os batimentos em alta frequência, os corpos dos atletas gastam mais energia e consomem mais oxigênio. Além desta reação desencadeada pelo estresse, o foco absoluto no xadrez faz com que a sensação de fome seja muitas vezes ignorada ou deixada em segundo plano. A qualidade do sono também costuma ser afetada, causando mais fadiga e, possivelmente, ainda mais perda de peso.

Apesar de agora a tecnologia permitir medições precisas e comparações de batimentos e níveis de estresse, a perda acentuada de peso dos atletas não é um fenômeno novo ou que passasse despercebido no xadrez. Talvez o episódio mais famoso seja o do Campeonato Mundial de 1984, que colocou frente a frente duas lendas russas: Anatoly Karpov e Garry Kasparov.

Anatoly Karpov (esq) perdeu 10kg no Mundial de Xadrez de 1984; na foto ele joga contra Garry Kasparov — Foto: Sputnik via AFP

Anatoly Karpov (esq) perdeu 10kg no Mundial de Xadrez de 1984; na foto ele joga contra Garry Kasparov — Foto: Sputnik via AFP

A competição começou em setembro, e o formato previa que quem vencesse seis partidas primeiro levaria o título. Empates não entrariam nesta conta. Karpov abriu 5 a 0 ao longo de 27 partidas. Kasparov venceu o compatriota pela primeira vez na 31ª partida, e venceu outras duas nos confrontos número 47 e 48. Com 5 a 3 para Karpov no placar, a organização decidiu suspender a competição alegando estar preocupada com a saúde dos competidores.

Àquela altura já era fevereiro de 1985, e a competição tinha se arrastado por incríveis cinco meses. Neste período Karpov perdeu 10 quilos. Apesar dos protestos de Kasparov, que queria continuar a jogar e vinha numa crescente, Karpov foi considerado vencedor pela vantagem construída até ali.

Para o fisiologista brasileiro Turíbio Barros, a perda significativa de peso em casos como o de Karpov se deve mais à falta de alimentação por longos períodos do que pelo nível de estresse a que os jogadores são submetidos.

– Não há gasto calórico elevado sem atividade contrato-muscular. O gasto calórico do coração acelerado não é significativo, a não ser quando o coração está servindo aos músculos. A perda de peso no xadrez pode, sim, ter a ver com ficar muitas horas sem se alimentar durante uma partida. Há uma defasagem calórica pela não reposição de calorias gastas.

Turíbio pondera que, mesmo assim, o xadrez exige muito do corpo pois o grande número de horas em uma partida gera fadiga física e até dor nos praticantes, o que pode piorar um quadro de fadiga mental.

Se antigamente os jogadores não tinham a compreensão da importância da preparação física, hoje os principais enxadristas do mundo contam com equipes multidisciplinares para ajudá-los nesta tarefa. Com mais resistência física os atletas suportam melhor as longas partidas e se beneficiam em temos de desempenho.

– Quando você joga por cinco horas, a chance de fazer uma besteira no final cresce muito quando está mais cansado. Com quatro ou cinco horas de jogo é quando os jogadores mais erram, quando estão mais cansados. O (Magnus) Carlsen sempre foi muito focado nessa parte física. Além do nível que ele apresenta, ganha muita partida na consistência, joga na primeira hora igual joga na quinta, que é um momento em que muita gente tropeça – analisou o brasileiro Krikor Mehkitarian.

Carlsen, citado por Krikor, é o número 1 do xadrez mundial. O norueguês tem uma rotina intensa de atividades físicas. Em suas redes sociais é possível ver a prática de uma gama variada de esportes: corrida, futebol, tênis, esqui, basquete e beisebol. Tudo para manter o corpo ativo e minimizar o impacto dos longos períodos sentado jogando xadrez.

Magnus Carlsen é o número 1 do xadrez mundial e pratica vários esportes para ajudar na preparação física — Foto: Reprodução / Instagram

Magnus Carlsen é o número 1 do xadrez mundial e pratica vários esportes para ajudar na preparação física — Foto: Reprodução / Instagram

As longas horas numa cadeira fazem com que os enxadristas comumente sofram com problemas de postura. Dores nos ombros e na cervical não são raras, e a capacidade de oxigenação do corpo também pode ser afetada pela pressão sobre os pulmões caso o tronco fique envergado demais. São detalhes que podem fazer a diferença quando se está entre os melhores.

A fisiologista Gerseli Angeli reforça a importância de que os enxadristas façam atividades físicas regulares e se preocupem em adequar ergonomicamente o ambiente de jogo e treino, com uma cadeira que tenha bom apoio lombar, mesa com altura adequada e apoio para os pés.

– Basicamente, o que o atleta deve fazer não é diferente do que todos aqueles que passam muitas horas na postura sentada deveriam fazer: manter um bom condicionamento aeróbico e realizar exercícios de fortalecimento e mobilização, principalmente do core e da região que compreende coluna torácica, cervical e ombros – comenta ela, completando. – Durante as pausas, devemos procurar mobilizar toda a musculatura sob tensão de forma a melhorar a circulação sanguínea e consequentemente favorecer a nutrição e oxigenação dos tecidos e a remoção de restos do metabolismo.

No vídeo abaixo, Angeli mostra alguns exercícios que podem ser feitos pelos enxadristas no ambiente de jogo, em poucos minutos, para melhorar essa oxigenação dos tecidos e evitar as dores lombares. Ela ressalta que serve não só para enxadristas, mas também para gamers e para qualquer um que fique muitas horas sentado.

Exercícios para evitar dor nas costas em pessoas que passam muito tempo sentadas

Exercícios para evitar dor nas costas em pessoas que passam muito tempo sentadas

.

.

.

Fonte: GE – Globo Esporte.

Publicidade
Publicidade

mais lidas