Siga nossa Redes

São Paulo

Médico nutrólogo acusado de abusos sexuais tem registro cassado pelo Cremesp

Redação SP

Publicado

em

Médico nutrólogo acusado de abusos sexuais tem registro cassado pelo Cremesp

Abib Maldaun Neto virou réu por crimes cometidos contra ex-pacientes e está preso. Decisão do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP) deve ser encaminhada ao Conselho Federal do Medicina (CFM).

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) cassou de forma definitiva neste sábado (10) o registro do médico nutrólogo Abib Maldaun Neto, acusado por ex-pacientes de abusos sexuais. Ele está preso desde dezembro passado em São Paulo.

Durante a sessão virtual do Cremesp realizada na tarde deste sábado, 17 conselheiros votaram a favor da cassação definitiva do CRM do médico e apenas um votou contra.

O registro profissional dele estava suspenso de forma cautelar desde setembro, pelo prazo de seis meses, para as apurações das denúncias.

O Cremesp ainda não se manifestou sobre o julgamento. A tendência é que o caso siga para o Conselho Federal do Medicina (CFM), para que a decisão seja referendada.

O advogado Marcelo Martins de Oliveira, que representa Maldaun Neto, confirmou à GloboNews que o resultado do julgamento e informou que vai recorrer ao CFM.

Relembre o caso

 

Médico acusado de abuso sexual é preso em São Paulo

Médico acusado de abuso sexual é preso em São Paulo

Abib Maldaun Neto foi preso no dia 14 de dezembro, em São Paulo. A defesa pediu revogação da prisão, mas ele permanece detido.

Só no processo que resultou na ordem de prisão contra ele, 16 mulheres – sendo as 9 vítimas e 7 testemunhas – relatam abusos cometidos entre os anos de 1997 e 2020 dentro de seu consultório.

No caso das 7 testemunhas, os crimes referentes a elas já prescreveram e a promotoria optou por colocá-las como testemunhas.

Testemunhas foram ouvidas nas últimas semanas e há uma nova oitiva marcada para o fim de abril.

Abuso sexual mediante fraude

 

O Ministério Público acusa o médico pelo crime de violação sexual mediante fraude.

“As circunstâncias são idênticas. Além da palavra da vítima, temos provas documentais. Não é uma palavra isolada, é um conjunto de provas”, disse a promotora Maria Fernanda Marques Maia, responsável pela investigação, na época das denúncias virem a público.

Abib Maldaun Neto já havia sido condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo por violação sexual mediante fraude em regime semi-aberto, mas respondia em liberdade.

Em julho de 2018, a decisão em relação ao abuso de uma paciente em 2014 foi dada em primeira instância. A defesa do médico recorreu e a condenação em segunda instância ocorreu em 30 de julho de 2020, sendo divulgada pela revista Veja e confirmada pela GloboNews.

 

.

.

.

Fonte: G1 – Globo.

Publicidade
Publicidade

mais lidas