Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Leilão de privatização da Cepisa, da Eletrobras, tem ao menos uma proposta

Publicado

em

Leilão de privatização da Cepisa, da Eletrobras, tem ao menos uma proposta

Leilão de privatização da Cepisa, da Eletrobras, tem ao menos uma proposta

O leilão de privatização da Cepisa, distribuidora da Eletrobras responsável pelo fornecimento de energia no Piauí, recebeu até o momento ao menos uma proposta de interessados,na sede da bolsa paulista B3, onde ocorre nesta segunda-feira (23) a entrega de documentos por investidores para a licitação, segundo a Reuters.

A sessão pública do leilão da Cepisa está agendada para 26 de julho, mas eventuais interessados têm até o meio-dia desta segunda para entregar suas propostas e outros documentos na B3.

Um grupo de executivos que esteve na B3 para apresentar os documentos não quis comentar que empresas representavam na licitação, segundo a Reuters.

Segundo o BNDES, os nomes das empresas inscritas só serão conhecidos no dia do leilão para preservar a competitividade da disputa.

A Cepisa reportou um prejuízo de R$ 2,4 bilhões em 2016, de acordo com o edital do leilão das distribuidoras.

Leilão de distribuidoras

A Cepisa será a primeira das distribuidoras da Eletrobras a serem colocadas em leilão no dia 26 de julho. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) adiou para 30 de agosto o leilão de quatro distribuidoras da estatal:

  • Boa Vista Energia;
  • Amazonas Distribuidora de Energia;
  • Companhia de Eletricidade do Acre;
  • Centrais Elétricas de Rondônia.

A venda da Companhia Energética de Alagoas (Ceal) está suspensa por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). O governo alagoano, que tinha o controle da Ceal e o transferiu à União no final dos anos 1990, questiona o modelo de venda da distribuidora e alega ter direito a receber pela venda das ações dela.

Processo de privatização

As distribuidoras de energia da Eletrobras enfrentam prejuízos recorrentes, além de problemas em atender metas de qualidade dos serviços e de equilíbrio financeiro definidas pela Aneel.

Em 2016, a Eletrobras decidiu não renovar a concessão das distribuidoras e, desde então, tem operado as concessionárias de forma provisória. A decisão da estatal foi vender as distribuidoras e, caso a venda não ocorra, liquidá-las.

Uma portaria publicada no dia 17)pelo Ministério de Minas e Energia prevê a “neutralidade econômica” da operação das seis distribuidoras da Eletrobras entre agosto e dezembro de 2018, caso não sejam vendidas neste ano

Com isso, o governo se compromete a ressarcir a Eletrobras por prejuízos causados pelas empresas durante o período.

Decisões judiciais

Em 12 de julho, o BNDES suspendeu o leilão das distribuidoras após determinação da 19ª Vara Federal do Rio de Janeiro.

Diante disso, a Advocacia Geral da União recorreu da decisão, argumentando que o leilão recebeu aval do Tribunal de Contas da União (TCU).

A AGU também argumentou que as distribuidoras registraram, juntas, prejuízo de R$ 4,5 bilhões em 2017.

Na terça (17), o presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), desembargador André Fontes, suspendeu a decisão que impedia o leilão.

Discussão no Congresso

Atualmente tramita no Congresso Nacional uma medida provisória (MP) editada pelo presidente Michel Temer para viabilizar a venda das seis distribuidoras de energia.

A MP já foi aprovada pela Câmara dos Deputados, mas ainda precisa ser analisada pelo Senado, o que só acontecerá no segundo semestre deste ano.

Por se tratar de MP, a medida já está em vigor desde a publicação, mas, para se tornar uma lei em definitivo, ainda precisa ser aprovada pelo Senado e sancionada por Temer.

Durante a tramitação da MP na Câmara, os deputados incluíram a isenção do pagamento da conta de luz para famílias de baixa renda.

mais lidas