Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Justiça condena prefeito de Penápolis por jardinagem irregular em estádio e em rodoviária

Publicado

em

Justiça condena prefeito de Penápolis por jardinagem irregular em estádio e em rodoviária

Segundo denúncia, prefeito contratou empresa sem licitação. Valor da obra foi de R$ 7 mil. Oliveira afirma que vai recorrer da decisão.

A Justiça condenou o prefeito de Penápolis (SP), Célio José de Oliveira (PSDB), além de ex-secretários da prefeitura por improbidade administrativa ao contratar, segundo denúncia, uma empresa para jardinagem sem licitação.

Em nota enviada ao G1 nesta sexta-feira (2), Oliveira afirma que vai recorrer da decisão. Em relação aos ex-secretários, a prefeitura disse que eles não compõem o atual quadro de secretários municipais.

Segundo a denúncia, em 2013, o prefeito contratou, sem licitação e sem justificativa para a dispensa, uma empresa para fazer a jardinagem do estádio municipal e da rodoviária, no valor de R$ 7 mil.

A contratação, segundo apuração da promotoria, foi ilegal, além de ter sido direcionada para que a empresa que prestou o serviço.

Falsificação de orçamentos

Ainda de acordo com o MP, após perceber que a contratação direta era ilegal, houve falsificação de outros dois orçamentos de empresas do ramo, cujos representantes negaram o fornecimento de qualquer documento ao município, bem como requisição de materiais junto ao setor municipal de compras depois que eles já haviam sido empregados nas respectivas obras e a grama já havia sido posta na rodoviária e no estádio.

A Justiça condenou o prefeito Célio, além dos ex-secretários por improbidade administrativa. Pela mesma prática também foram condenados uma servidora municipal e o marido dela, que é paisagista.

Na ação, o MP pede a decretação da indisponibilidade de bens de todos os envolvidos, no valor de R$ 21 mil. Além da condenação por ato de improbidade administrativa, a promotoria também pede que o contrato firmado entre o município e a empresa seja anulado.

A Justiça atendeu ao pedido e condenou o prefeito e os secretários a pagar multa equivalente à remuneração mensal vigente em fevereiro de 2013 ou então o valor do dano, no montante de R$ 7 mil.

A servidora e o marido dela também foram condenados a pagar multa equivalente ao valor do dano no valor de R$ 7 mil. A Justiça proibiu a empresa de contratar com o poder público.

mais lidas