Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Colunistas

José Pereira: Dilúvio de Janeiro

Publicado

em

Governo enviou 300 servidores para ajudar em buscas no Amazonas

Dilúvio de Janeiro

 

“Chuvas que caem, caem sem parar”. O verso da música parece se encaixar com exatidão para o Brasil neste começo de 2022, marcado por um ‘dilúvio’ e muitos transtornos. Mais de 30 brasileiros perderam a vida no ano que acabou de começar devido a incidentes como enchentes, alagamentos e deslizamentos de terra em áreas que não deveriam estar habitadas.

Cidades como Franco da Rocha, Várzea Paulista, Francisco Morato, Embu das Artes, Arujá, Itapevi, Ribeirão Preto e Jaú foram duramente castigadas com os problemas. O resultado: as mortes por deslizamentos apenas no mês de janeiro já superam o registrado em todo o ano passado.

O fenômeno se repete ano após ano. É do conhecimento dos governantes que de dezembro pra janeiro as águas caem com mais força, gerando os eventos adversos e que vitimam pessoas. As pessoas que habitam áreas ribeirinhas morrem e as promessas continuam, sem nada feito no tocante às questões habitacionais e até de justiça social.

No final do ano já havíamos assistido a estragos e calamidade em estados como a Bahia e Minas Gerais. Além das irreparáveis mortes, ocorrem perdas patrimoniais e que deixam no limpo uma verdadeira multidão. Doravante, deve-se buscar a prevenção de novas ocorrências tristes como as que vivemos. Algo estrutural e não paliativo, pelo bem do Brasil.

Mas nem apenas de exemplos ruins vivemos. Em Nova Odessa, por exemplo, podemos lembrar o incessante trabalho do então comandante da Defesa Civil, Paulo Henrique Bichof – atualmente vereador no município –, que por anos buscou atuar no enfrentamento direto das enchentes. E, ao mesmo tempo, atacando as origens do problema a nível municipal.

 

 

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

mais lidas