Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Mundo

Irã fecha temporariamente central nuclear após ‘falha técnica’

Publicado

em

Irã fecha temporariamente central nuclear após 'falha técnica'

A única central nuclear do Irã foi fechada nesta segunda-feira (21) por “alguns dias” após uma “falha técnica” de natureza não especificada, informou a Organização de Energia Atômica do Irã (OIEA).

A OIEA afirmou que a central nuclear de Bushehr “foi paralisada temporariamente e desconectada da rede elétrica nacional”. “Naturalmente, depois de corrigida a falha técnica, a central voltará a ser conectada à rede elétrica nacional”.

A empresa iraniana de distribuição de energia elétrica disse que a central de Bushehr passa por trabalhos de “reparo”, que podem prosseguir até o fim da semana, e pediu à população que limite o consumo para não saturar a rede durante o período de muito calor.

Localizada na cidade de Bushehr, no sul do país, a usina é equipada com um reator de 1 mil MW, foi construída pela Rússia e iniciou suas operações em 2013. Desde 2016, empresas russas e iranianas constroem mais dois reatores de 1 mil MW no local.

Área de terremotos

Bushehr é um porto no Golfo e fica mais próximo das capitais de várias monarquias da Península Arábica do que de Teerã.

A central preocupa os vizinhos do Irã por ter sido construída em uma área que terremotos são frequentes. Esses países já expressaram em várias oportunidades a preocupação com a sua confiabilidade e o risco de vazamentos radioativos em caso de um grande terremoto.

Em abril, a região foi abalada por um tremor de 5,8 graus de magnitude, segundo o Centro Geológico dos Estados Unidos (USGS). Cinco pessoas ficaram feridas, segundo a imprensa estatal iraniana.

“Todas as instalações, equipamentos e edifícios da central nuclear de Bushehr estão em perfeito estado e suas atividades não foram interrompidas pelo terremoto”, afirmou a central nuclear na ocasião.

.

.

.

AFP

mais lidas