Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Esportes

Invictos há quase 30 anos, EUA batem a Austrália e seguem no rumo do ouro no basquete feminino

Publicado

em

Invictos há quase 30 anos, EUA batem a Austrália e seguem no rumo do ouro no basquete feminino

Não deu nem para falar em rivalidade olímpica. Os Estados Unidos passaram por cima da Austrália na final do torneio feminino de basquete nos Jogos de Tóquio-2020 e seguem favoritíssimos no caminho da inédita sétima medalha de ouro consecutiva em esportes coletivos para mulheres. Três vezes vice no hexa americano entre Atlanta-1996 e Rio-2016, as australianas foram presas fáceis desde o primeiro quarto e estão fora das Olimpíadas com o placar de 79 a 55. Breanna Stewart, com 23 pontos, foi a cestinha.

Os Estados Unidos chegaram a 52ª vitória seguida em Olimpíadas. A última derrota aconteceu na semifinal de Barcelona-1992 para a Equipe Unificada de Estados Independentes, que reunia antigas repúblicas da desmembrada União Soviética. De lá para cá, só vitórias, que teve início com a garantia do bronze sobre Cuba, e seis medalhas de ouro.

Se o Brasil ficou com a prata em Atlanta-1996, a Austrália foi vítima em Sydney-2000, Atenas-2004 e Pequim-2008, mas não conseguiu fazer valer a tradição e impor dificuldades em Tóquio. Com a vitória por 24 pontos de diferença, os Estados Unidos têm pela frente a Sérvia, que eliminou a China por 77 x 70, na próxima sexta-feira, 1h40 (de Brasília).

Kevin Durant e astros do Dream Team americano torcem para equipe feminina — Foto: REUTERS/Brian Snyder

Kevin Durant e astros do Dream Team americano torcem para equipe feminina — Foto: REUTERS/Brian Snyder

Avalanche americana desde o início

 

A partida até começou indicando um equilíbrio na Super Arena de Saitama. A Austrália fez os dois primeiros pontos e ficou na frente até o placar apontar 6 a 6. Foi quando os Estados Unidos tomaram as rédeas do jogo e dispararam para não largar mais. Foram três minutos onde praticamente somente as hexacampeãs olímpicas jogaram até o fazerem 21 a 6. A vantagem condicionou toda sequência da partida e o quarto inicial terminou 26 a 12.

Britney Griner faz cesta em vitória sobre a Austrália — Foto: REUTERS/Sergio Perez

Britney Griner faz cesta em vitória sobre a Austrália — Foto: REUTERS/Sergio Perez

A Austrália até esboçou um equilíbrio no segundo período. Com um chute de três de Marianna Tolo, tirou cinco pontos da desvantagem, mas a realidade durou pouco. O jogo de toma lá, dá cá permaneceu até os dois minutos finais, quando só às americanas acertaram bolas e ampliaram a superioridade para 21 pontos: 48 a 27.

A esta altura, as australianas já estavam em clima de despedida dos Jogos Olímpicos, enquanto as americanas mantinham o ritmo visando a semifinal diante da Sérvia. Enquanto a Austrália errava aos montes, os Estados Unidos tinham atuação quase perfeita, e abriu mais oito pontos no terceiro quarto, levando o placar a 68 a 39.

Com a vitória confirmada, a técnica Dawn Staley começou a rodar o time, colocou praticamente todo banco de reservas em quadra e viu a Austrália diminuir a vantagem. No fim, vitória americana por 79 a 55.

.

.

.

Fontes: Ge – Globo Esporte.

mais lidas