Destaque Principal Mundo

Impeachment de Trump perde força no Senado dos EUA

Redação
Escrito por Redação

Se fosse condenado, o presidente dos EUA Donald Trump seria deposto da Casa Branca e seu vice, Mike Pence, assumiria até a conclusão do mandato

Na reta final do julgamento no Senado do presidente dos Estados Unidos , Donald Trump, é cada vez menos provável que a oposição democrata consiga aprovar a convocação de testemunhas para depor contra o republicano.

Após a conclusão da etapa de perguntas dos senadores para a acusação e a defesa, um dos parlamentares que eram cortejados pelos democratas, Lamar Alexander, anunciou nesta quinta-feira (30) que votará contra a convocação de testemunhas.

“Não há necessidade de novas evidências para provar algo que já foi provado e que não cumpre as exigências da Constituição para o impeachment “, escreveu Alexander no Twitter. A oposição tem 47 dos 100 assentos no Senado e precisa dos votos de pelo menos quatro republicanos para conseguir levar o ex-secretário de Segurança Nacional John Bolton ao plenário.

O ex-assessor de Trump não depôs na fase de investigação, mas agora está para lançar um livro em que diz ter ouvido do presidente que a ajuda militar de quase US$ 400 milhões à Ucrânia estava condicionada à abertura de um inquérito contra Joe Biden, seu possível adversário nas eleições deste ano.

A senadora republicana Susan Collins afirmou que votará pela convocação de testemunhas, enquanto o ex-presidenciável Mitt Romney também se mostrou inclinado a apoiar a iniciativa. Ainda faltariam dois votos.

A proposta deve ser analisada nesta sexta-feira (31) e, se for rejeitada, o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, pode pedir uma votação imediata para condenar ou absolver Trump. Para o mandatário ser deposto, são necessários dois terços dos votos.

Esse pode ser o primeiro julgamento de um presidente no Senado sem a convocação de testemunhas.

 

 

iG

Sobre o autor

Redação

Redação

%d blogueiros gostam disto: