Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Impeachment de Dilma ainda continua no Supremo

Publicado

em

Impeachment de Dilma ainda continua no Supremo

Defesa da ex-presidente ainda tenta anular decisão do Congresso, mas isso não lhe devolveria o cargo, apenas garantiria retomada de direitos políticos

 

A batalha do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff , que deixou o cargo em 2016 , ainda não acabou. Pelo menos não no Supremo Tribunal Federal (STF) . A defesa de Dilma insiste no julgamento de dois recursos que pedem a anulação do processo.

Mas mesmo um resultado favorável — desfecho que parece improvável, visto que o STF não quis no passado interferir no processo conduzido pelo Congresso — não fará Dilma voltar ao cargo, uma vez que o mandato dela terminou em dezembro do ano passado. O objetivo de seus advogados é outro: garantir de uma vez por todas que a ex-presidente manterá seus direitos políticos , como aprovado pelo Congresso.

Em 2016, quando afastou Dilma de vez do cargo de presidente da República, o Senado também decidiu que ela não perderia seus direitos políticos. Tanto que, em 2018, ela pôde ser candidata a senadora por Minas Gerais, eleição que acabou perdendo. Mas há alguns processos na Corte apresentados por partidos de oposição ao PT questionando esse ponto. Assim, se a primeira decisão, ou seja, seu afastamento, for anulada, a segunda, que trata dos direitos políticos, também estará resolvida.

“Qual é a decisão principal? Impeachment . Qual é a segunda decisão? Suspensão dos direitos políticos. A primeira decisão está atacada pelos nossos mandados de segurança. A segunda está atacada pelos mandados de segurança dos partidos. Se eu entender que a decisão do impeachment é nula, obviamente a segunda decisão é nula. Se eu entender que a decisão do impeachment não é nula, eu vou ter uma discussão mantida sobre se anula ou não a suspensão dos direitos políticos dela”, afirmou José Eduardo Cardozo, advogado que defende Dilma e que já foi ministro no governo dela.

Os recursos serão analisados em sessão virtual do plenário do STF entre 22 e 28 de novembro. Os 11 ministros não vão se reunir presencialmente, mas jogar seus votos no sistema eletrônico da Corte. Isso, porém, não é suficiente para a defesa. Em 6 de novembro, os advogados pediram que os processos sejam retirados do ambiente virtual e enviados para o plenário físico, onde a defesa terá a oportunidade de fazer sustentação oral. O relator, ministro Alexandre de Moraes, já negou a solicitação, dizendo que “o julgamento em ambiente virtual não prejudica a discussão”.

Os esforços da defesa vão além disso. Segundo a agenda oficial dos integrantes do STF, publicada na página da Corte na internet, dois advogados, entre eles Cardozo, se reuniram com o ministro Luís Roberto Barroso em 7 de novembro para tratar do assunto. Em 12 de novembro, nova reunião, dessa vez com a ministra Rosa Weber. Cardozo disse ter tratado brevemente do tema também com o ministro Edson Fachin .

Os pedidos da defesa foram feitos em 2016, pouco depois de o Congresso finalizar o julgamento que a afastou definitivamente da Presidência da República. Um deles pedia um novo julgamento no Senado, sem anular o processo como um todo. O outro é mais ousado: solicitava a volta de Dilma ao cargo de presidente.

Ainda em 2016, o então relator dos pedidos, ministro Teori Zavascki, não concedeu as liminares solicitadas pela defesa. Teori viria a morrer em janeiro de 2017 e os processos foram parar no gabinete do ministro Alexandre de Moraes, que o substituiu no STF. No começo de dezembro de 2018, já perto do fim do mandato para o qual Dilma tinha sido eleita, Moraes rejeitou os pedidos.

A defesa recorreu na expectativa de que o plenário possa reverter as decisões. Em janeiro de 2019, teve começo um novo mandato com a posse do presidente Jair Bolsonaro , eleito em outubro do ano passado.

O processo de impeachment foi autorizado pela Câmara e aprovado pelo Senado. No entendimento da maioria dos senadores, Dilma cometeu crime de responsabilidade contra a lei orçamentária ao atrasar repasses do governo a bancos públicos, o que ficou conhecido como “pedaladas fiscais”, e editar decretos de crédito suplementar sem autorização do Congresso.

 

Por iG 

mais lidas