Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Mundo

Hub do comércio global, Dubai atrai empresários brasileiros

Publicado

em

Hub do comércio global, Dubai atrai empresários brasileiros

Presidente da Apex-Brasil defende investimentos na região

Situada em uma espécie de ligação física entre o ocidente e o oriente, Dubai, nos Emirados Árabes, é considerada um hub (locais centrais) do comércio global. Apesar do idioma oficial ser o árabe, a cidade se comunica em inglês – nos mais diversos sotaques. Em meio a resorts e hotéis de luxo, vê-se, seguindo a tradição islâmica, homens de túnica branca e mulheres de manto preto e hijab (conjunto de vestimentas preconizado pela doutrina islâmica), em mais uma prova de como oriente e ocidente se misturam.Hub do comércio global, Dubai atrai empresários brasileirosHub do comércio global, Dubai atrai empresários brasileiros

Para o presidente da Agência Brasileira de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Augusto Pestana, a estratégia de empresários brasileiros deve ser a de internacionalizar seus produtos e investir na região. “Um grande país como o Brasil precisa estar presente no mundo inteiro, e Dubai é central. É um hub para o Oriente Médio, para o mundo árabe, para o sul da Ásia, para a Índia e para a África. Da mesma forma, o Brasil é, cada vez mais, um hub extremamente relevante. Então, é uma relação win-win [ganha-ganha].”

Durante a abertura do seminário Como fazer Negócios com os Emirados Árabes, em Dubai, Pestana fez uma adaptação do verso do poeta português Fernando Pessoa, “navegar é preciso”, dizendo: “negociar é preciso. Internacionalizar é preciso”. Pestana referia-se à agenda da Expo 2020 como uma oportunidade para que a delegação de cerca de 300 empresários brasileiros na cidade troque experiências e conhecimento.

Região do Golfo

Ainda durante o encontro, Pestana citou dados do recém-lançado Mapa Bilateral entre Brasil e países do Conselho de Cooperação do Golfo. De acordo com o estudo, bastaria que o Brasil ampliasse 0,1 ponto percentual do seu share (participação) para que isso tivesse um significado de quase US$ 6 bilhões a mais na corrente comercial.

“É uma região que oferece oportunidades extraordinárias”, concluiu o presidente da Apex-Brasil, ao citar que o Brasil já figura como quinto maior parceiro comercial dos países que integram o conselho.

*A repórter viajou a convite da Apex-Brasil

.

 

.

 

.

 

Agencia Brasil

mais lidas