Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Dia a Dia

Hospital São Paulo demite centenas de funcionários e pronto-socorro é fechado para pacientes que não chegam de ambulância

Publicado

em

Governo enviou 300 servidores para ajudar em buscas no Amazonas

Funcionários do Hospital São Paulo, na Zona Sul da capital paulista, relataram ao g1 que centenas de médicos e enfermeiros que trabalham no local foram demitidos nos últimos meses. O g1 esteve no HSP nesta quinta-feira (24) e foi informado que o pronto-socorro foi fechado e somente atendimentos de especialidade estão sendo realizados.

Os pacientes que procuram o local para atendimento clínico ou emergencial são encaminhados para a UPA Vila Mariana.

“Todos os hospitais do governo federal estão sofrendo com isso. Muita gente está sendo mandado embora porque está mudando a diretoria. Enfermeiras, médicos, todo dia um monte de gente é demitido aqui [no Hospital]. Parece que só na terça-feira (22) foram 150 funcionários, circula a história que é porque está mudando a diretoria”, afirmou uma funcionária.

O Hospital São Paulo, hospital universitário da Universidade Federal de São Paulo, disse ao g1, em nota, que “as demissões fazem parte da reestruturação que a unidade realiza neste momento. Desde o início da pandemia, o Hospital São Paulo buscou contratar profissionais de diversas especialidades para enfrentar a fase mais aguda da crise. Neste momento, estamos readequando as escalas de profissionais” (leia nota completa abaixo). O hospital não respondeu sobre o fechamento do pronto-socorro.

Na UPA Vila Mariana, para onde os pacientes são encaminhados, o tempo de espera para atendimento por volta das 14h desta quinta era de cerca de 4 horas. “Eu faço tratamento aqui, queria continuar passando no clínico aqui no Hospital São Paulo”, disse um paciente.

Bilhete entregue para pacientes que procuram por atendimento clínico. — Foto: Deslange Paiva/ g1 SP

Bilhete entregue para pacientes que procuram por atendimento clínico. — Foto: Deslange Paiva/ g1 SP

No hospital, estão sendo atendidos somente quem procura por consultas no ginecologista, oftalmologista e otorrino, ainda assim, profissionais relataram que poucos médicos estão disponíveis para atender a demanda de público.

“Nem a gente que trabalha aqui está conseguindo atendimento, até os funcionários que precisam de tratamento estão sendo recomendados a procurar um outro lugar, eu mesma preciso realizar um tratamento e aqui não dá”, disse o funcionário.

 

Os funcionários só não podem barrar pacientes encaminhados via Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (Cross) e os que chegam de ambulância.

Eles relatam também que faltam medicamentos e estão limitando a distribuição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). “Estão cancelando cirurgias e até exames básicos”.

Em 17 de dezembro de 2021, o vice-governador do estado de São Paulo, Rodrigo Garcia, e o Secretário de Saúde do Estado, Jeancarlo Gorinchteyn, anunciaram o repasse de R$ 66,9 milhões ao Hospital São Paulo e ao Hospital de Ensino da Escola Paulista de Medicina (EPM) da Unifesp.

.

.

.

.

.

G1

mais lidas