Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Saúde

Gripe ou Covid? Médicos de países com surto da variante delta explicam por que sintomas se confundem e como agir caso apareçam

Publicado

em

Gripe ou Covid? Médicos de países com surto da variante delta explicam por que sintomas se confundem e como agir caso apareçam

Primeiro-ministro fez cerimônia restrita a cerca de 30 pessoas – o máximo autorizado atualmente por causa da pandemia. Ele e Carrie Symonds estavam noivos desde 2019 e têm um filho juntos.

variante delta do coronavírus é um dos principais aceleradores da pandemia no mundo no momento, inclusive nos países onde a vacinação está avançada. Isso acontece, entre outros motivos, porque os indivíduos costumam confundir os sintomas da delta com os da gripe.

Especialistas de países com surto da variante delta ouvidos pelo G1 explicam por que é tão difícil distinguir os sintomas da doença.

“Você não consegue diferenciar a variante delta de uma gripe”, explica David Straim, consultor do sistema de saúde britânico (NHS) e pesquisador da faculdade de medicina da Universidade de Exeter, no Reino Unido.

 

Os especialistas do Reino Unido, David Straim, e da Índia, Rajib Dasgupta, explicam por que os sintomas da gripe da infecção por delta se confundem — Foto: Arquivo pessoal | Reprodução

Os especialistas do Reino Unido, David Straim, e da Índia, Rajib Dasgupta, explicam por que os sintomas da gripe da infecção por delta se confundem — Foto: Arquivo pessoal | Reprodução

Nessa reportagem, médicos da Índiapaís onde a delta gerou uma segunda onda mortal de infecções neste ano, e do Reino Unidoonde a variante está associada a mais de 99% dos novos casos de Covid no país, respondem as seguintes perguntas:

  1. É possível distinguir uma gripe de infecção pela variante delta apenas pelos sintomas?
  2. Quais sintomas são comuns tanto em casos de gripe como de infecção pela variante delta do coronavírus?
  3. Os sintomas da delta se manifestam da mesma forma em todas as faixas etárias?
  4. Como saber se estou contaminado pela delta ou com gripe?
  5. O que devo fazer caso sinta algum dos sintomas?
  6. A delta é mais transmissível do que as outras variantes da Covid?
  7. Mesmo pessoas vacinadas podem ser contaminadas com a delta?
  8. Qual a taxa de eficácia das vacinas contra a delta?

 

A variante delta do coronavírus já foi detectada em pelo menos 124 países, segundo o mais recente boletim epidemiológico da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado nesta terça-feira (20).

No Brasil, ela foi identificada no final do mês de maio e já provocou cinco mortes. De acordo com o Ministério da Saúde, até o dia 20 deste mês a pasta já havia identificado e notificado 110 casos de delta no país.

Veja 5 pontos sobre a variante delta

1. É possível distinguir uma gripe de infecção pela variante delta apenas pelos sintomas?

 

Não. De acordo com Rajib Dasgupta, chefe do centro de medicina social da Universidade Jawaharlal Nehru, em Nova Delhi, não é possível distinguir a delta das demais variantes da Covid (alfa, beta e gama) ou mesmo de uma gripe comum apenas pelos sintomas.

“A delta não tem sintomas distintos e poderia ser relacionada a qualquer outra variante da Covid porque todas as infecções causadas pela Covid começam como uma doença viral leve”, explica Dasgupta.

 

2. Quais sintomas são comuns tanto em casos de gripe como de infecção pela variante delta do coronavírus?

 

David Straim, consultor do sistema de saúde britânico (NHS) e pesquisador da faculdade de medicina da Universidade de Exeter, no Reino Unido, explica que tanto a gripe quanto a fase inicial de infecção pela variante delta podem estar associadas aos seguintes sintomas: dor de cabeça, mal estar, coriza, dor de garganta e febre.

3. Os sintomas da delta se manifestam da mesma forma em todas as faixas etárias?

 

Não. Segundo especialistas, alguns dos sintomas que se tornaram característicos da Covid-19 não são tão frequentes na variante delta, principalmente entre a população mais jovem, como crianças, adolescentes e jovens adultos.

“Os adultos mais velhos ainda apresentam os mesmos sintomas, no entanto, as crianças não apresentam sintomas tão graves e podem apresentar outros sintomas como diarreia, coriza, febre e mal estar. A mesma doença pode causar sintomas diferentes em grupos de distintas idades”, afirma Straim.

 

4. Como saber se estou contaminado pela delta ou com gripe?

 

De acordo com os especialistas, a única maneira de ter a confirmação do diagnóstico é por meio de um teste PCR, que tem por objetivo identificar o material genético do vírus no corpo humano.

“A única maneira de sabermos com certeza se você tem Covid ou não é fazendo um teste PCR”, afirma Straim.

 

Para a realização desse exame, um profissional coleta material da garganta e do nariz do paciente através de um swab – instrumento parecido com um cotonete – que, em seguida, é encaminhado a um laboratório de análises.

5. O que devo fazer caso sinta algum dos sintomas?

 

Se você apresentar algum dos sintomas, deve fazer um teste de Covid. Se o resultado for positivo, você deve, obviamente, manter o isolamento social e informar todas as pessoas com quem manteve contato na última semana do seu diagnóstico para que elas fiquem em alerta”, explica Straim.

Ainda segundo Straim, é possível que nem todas as pessoas com os sintomas listados estejam contaminadas com a delta, ainda mais considerando que no inverno muitos desses sintomas não comuns. Entretanto, é necessário realizar a testagem para controlar a disseminação da variante, que possui um potencial de contaminação muito maior ao das demais cepas e tem potencial para provocar uma nova crise.

Caso o invidíduo realize o teste e dê negativo, ele pode continuar com seus hábitos normalmente – desde que respeitando as recomendações sanitárias para impedir a disseminação o vírus.

6. A delta é mais transmissível do que as outras variantes da Covid?

 

Sim. A dificuldade em identificar a doença pelos seus sintomas característicos aumenta as chances de transmissão do vírus, principalmente no caso da delta que, assim como as outras variantes de preocupação (alfa, beta e gama), é mais transmissível do que a cepa original.

“A variante delta é muito mais transmissível do que as outras variantes e há estimativas que apontam que ela seja cerca de 30 a 50% mais transmissível do que a cepa original”, afirma Dasgupta.

Em um artigo publicado na revista científica Eurosurveillance, pesquisadores ligados à OMS e ao Imperial College London apontaram que a delta foi a variante que teve o maior aumento na taxa de reprodução em relação ao coronavírus original.

Isso significa que, enquanto cada pessoa contaminada pela cepa original transmitia o vírus da Covid para cerca de 2,6 pessoas ao seu redor, cada pessoa infectada pela delta pode transmitir o vírus para cerca de 8 novos invidíduos.

Potencial de transmissão da variante delta — Foto: Guilherme Luiz Pinheiro/Arte G1

Potencial de transmissão da variante delta — Foto: Guilherme Luiz Pinheiro/Arte G1

7. Mesmo pessoas vacinadas podem ser contaminadas com a delta?

 

Sim. De acordo com os especialistas, a delta também é capaz de infectar pessoas que foram totalmente vacinadas, ou seja, que tomaram as duas doses da vacina.

“Aqueles imunizados com duas doses de vacina permanecem vulneráveis ​​à infecção pela variante delta, mas a taxa de mortalidade após a imunização completa permanece baixa“, afirma Dasgupta.

 

Isso acontece porque a vacina não impede que a pessoa venha a contrair o vírus. O que as vacinas fazem é preparar o sistema imune para que, quando em contato com o agente infeccioso, a doença encontre resistência, reduzindo às chances de evoluir para casos graves ou mesmo levar à morte.

8. Qual a taxa de eficácia das vacinas contra a delta?

 

Um estudo publicado na quarta-feira (21) reforça a importância de receber a segunda dose da vacina contra a Covid-19. A pesquisa, assinada por pesquisadores do sistema de saúde do Reino Unido, da Universidade de Oxford e do Imperial College London, aponta que a eficácia da primeira dose das vacinas da Pfizer/BioNTech e da AstraZeneca é de 30,7% contra a variante delta — com uma variação de 25,2% a 35,7%.

Ao completar o ciclo das duas doses, de acordo com a pesquisa, as taxas dos dois imunizantes duplicam e, em alguns casos, quase triplicam contra a delta. No caso da AstraZeneca, a eficácia chega a 67%, com resultados entre 61,3% a 71,8%. No caso da Pfizer/BioNTech, o mesmo índice chega a 88%, com variação entre 85,3% a 90,1%.

.

.

.

Fontes: G1 – Globo.

mais lidas