Siga nossa Redes

Esportes

Garoto de 11 anos vítima de injúria racial posa para foto com Marinho e Soteldo, do Santos

esportes

Publicado

em

Garoto de 11 anos vítima de injúria racial posa para foto com Marinho e Soteldo, do Santos

Time gaúcho joga pelo empate no Morumbi; equipe paulista precisa vencer por dois gols de diferença

O garoto de apenas 11 anos que foi vítima de injúria racial em um jogo de futebol no interior de Goiás conheceu jogadores do Santos e posou para fotos com Soteldo, Marinho e com o técnico Cuca.

O Santos publicou registros da nova visita de Luiz Eduardo Bertoldo Santiago ao CT Rei Pelé na tarde desta quarta.

Luiz Eduardo e Soteldo, do Santos — Foto: Ivan Storti/Santos FC

Luiz Eduardo e Soteldo, do Santos — Foto: Ivan Storti/Santos FC

 

Luiz Eduardo e família posam para foto com Marinho, do Santos — Foto: Ivan Storti/Santos FC

Luiz Eduardo e família posam para foto com Marinho, do Santos — Foto: Ivan Storti/Santos FC

Luiz Eduardo Bertoldo Santiago ficou conhecido por um vídeo que viralizou nos últimos dias em que chora ao denunciar que sofreu racismo do técnico adversário 

O Santos entrou em contato com a família de Luiz Eduardo e, além do chamado para a avaliação no ano que vem, mandou produtos oficiais do clube.

                                                           

Entenda o caso

 

Na quarta-feira da semana passada, Luiz Eduardo jogava uma partida pela Caldas Cup, em Caldas Novas, interior de Goiás, pelo time sub-11 da Uberlândia Academy, da cidade do Triângulo Mineiro.

Após o jogo, mesmo com a vitória de seu time, o garoto deixou o gramado chorando. Perguntado sobre o que havia acontecido, ele disse ter ouvido ofensas do treinador adversário durante a partida.

– O cara falava assim “Fecha o preto aí, ó! Aí eu aguardei para falar no final com os pais. Falou um ‘tantão’ de vezes” – disse.

 

Garoto chora em competição de escolinhas e relata injúria racial

Garoto chora em competição de escolinhas e relata injúria racial

O relato foi publicado pela equipe mineira, com autorização dos pais, nas redes sociais, juntamente com uma nota de repúdio, na última quinta-feira. Um boletim de ocorrência foi registrado e o garoto prestou depoimento à Polícia Civil no dia seguinte.

Lázaro Caiana de Oliveira, técnico adversário acusado pelo garoto de mandar o time “marcar o preto”, nega que tenha dito a frase e revelou ter sofrido ameaças após a repercussão do caso. Ele foi suspenso provisoriamente pela organização da competição.

 

.

.

.

GE – Globo Esporte.

Publicidade

mais lidas