Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Esportes

Forte contra-ataque e buraco no lado direito da defesa: como joga o América-MG de Lisca

Publicado

em

Forte contra-ataque e buraco no lado direito da defesa: como joga o América-MG de Lisca

Coelho aposta nas jogadas em velocidade, especialmente pelas pontas, mas apresenta vulnerabilidades que podem ser exploradas pelo Palmeiras nas semifinais Copa do Brasil

Não vai ser fácil. Para quem pensa que o América-MG, adversário da semifinal da Copa do Brasil, nesta quarta, às 21h30, no Allianz Parque, é um azarão, melhor ajustar as expectativas.

A equipe treinada por Lisca promete endurecer o duelo contra o Palmeiras na base da organização e do contra-ataque, mas não sem deixar alguns pontos que podem ser explorados pelo time paulista, como o lado direito da defesa.

Nada que tire o bom momento do Coelho. Desde que Lisca chegou, em fevereiro, o time se transformou. Foi páreo duro para o Atlético-MG nas finais do Mineiro e eliminou Corinthians e Internacional na Copa do Brasil, com duas vitórias fora de casa, por 1 a 0. Na Série B, é vice-líder com apenas dois pontos atrás da Chapecoense. Inclusive os dois fizeram uma “final antecipada” no domingo, em jogo que terminou em polêmica por conta de um gol anulado.

Time-base joga no 4-3-3

 

O América-MG com Lisca joga quase sempre num 4-3-3, mesmo quando há desfalques e perdas por lesão. Uma delas, a do volante Zé Ricardo, abriu espaço para Flávio, cria da base do Coelho, que aos 20 anos vem mostrando segurança na proteção da zaga. Daniel Borges vem jogando na lateral direita.

No ataque, Rodolfo tomou a vaga de Léo Passos com muitos gols. Marcelo Toscano – autor do gol do América-MG na casa do Corinthians – pode aparecer no time.

América-MG: 4-3-3, com Rodolfo no ataque — Foto: Léo Miranda

América-MG: 4-3-3, com Rodolfo no ataque — Foto: Léo Miranda

O ponto forte: jogadas rápidas e antecipação dos atacantes

 

É muito comum pensar que num jogo entre um time de maior investimento e outro de folha mais modesta, o grande vai atacar, e o pequeno vai se defender. É uma meia verdade.

O América-MG é bem organizado quando se lança ao ataque, com o volante Flávio encarregado de armar as jogadas junto aos zagueiros. Mas são nas jogadas de velocidade que estão o ponto forte do time de Lisca. Não apenas contra-ataque: é um time veloz, que quer sempre atacar com a defesa desorientada.

Como saíram os gols do América?
Últimos quinze gols computados
Escanteio: 3Pênalti: 1Sufoco na saída de bola adversária: 3Ataques rápidos pelos lados: 5Cobrança de falta: 1Contra-ataque: 1

A jogada mais clássica desse América é a corrida pelo lado. Felipe Azevedo e Ademir são os encarregados de correrem na linha de fundo, como pontas clássicos. Enquanto isso, o centroavante e o ponta do outro lado entram na área e buscam se antecipar os zagueiros.

É um modo econômico e eficiente de chegar ao ataque. Bastam dois ou três jogadores e o América desorganiza uma defesa com até seis homens.

Ponta corre e dois atacantes se antecipam na área para fazer o gol — Foto: Reprodução/Léo Miranda

Ponta corre e dois atacantes se antecipam na área para fazer o gol — Foto: Reprodução/Léo Miranda

Esse movimento é tão bem-feito que a maioria – para ser preciso, um terço dos últimos 15 gols – foram feitos desse mesmo modo da imagem: ponta corre e atacante antecipa no lado oposto. Um detalhe é que vários desses gols saíram de reposições de bola parada. Um ponto para o Palmeiras ficar atento: qualquer reposição para frente pode se tornar um perigo de gol.

América faz muitos gols com chegadas em surpresa na área — Foto: Reprodução/Léo Miranda

América faz muitos gols com chegadas em surpresa na área — Foto: Reprodução/Léo Miranda

Bola parada forte e o truque do primeiro pau

 

Outra jogada forte do América são as bolas paradas. Dos últimos 15 gols, um veio de pênalti, três de saídas erradas do goleiro ou do zagueiro adversário e três escanteios. Contra a Chape, os dois gols do empate vieram de escanteios, com uma pequena “maldade” preparada por Lisca na primeira trave do escanteio.

Quando um escanteio é batido, a trave mais perto do batedor é chamada de primeiro pau. É o lado para onde o goleiro posiciona o corpo e tenta adivinhar a trajetória da bola. Lisca, esperto que só, treina uma jogada para “enganar” o goleiro.

O América concentra dois ou três jogadores no primeiro pau. Na batida do escanteio, um deles salta e leva consigo dois adversários. Ele salta não para fazer o gol, mas para chamar a atenção da defesa e deixar o outro lado livre para Messias, Anderson e Rodolfo, que conseguem pegar as costas do goleiro. Veja na imagem:

América concentra jogadores no primeiro pau e um deles pula para liberar o lado oposto — Foto: Reprodução/Léo Miranda

América concentra jogadores no primeiro pau e um deles pula para liberar o lado oposto — Foto: Reprodução/Léo Miranda

Esse movimento se repete em vários gols e lances do América: chamar adversários para um lado e deixar o outro mais livre para que alguém chegue de surpresa e faça o gol. Ponto para Luan e Gustavo Gómez, a provável dupla de zaga do Palmeiras, deve prestar atenção.

América-MG gosta de atrair adversários para o primeiro pau e deixar o outro lado desprotegido — Foto: Reprodução/Léo Miranda

América-MG gosta de atrair adversários para o primeiro pau e deixar o outro lado desprotegido — Foto: Reprodução/Léo Miranda

Fragilidade no lado direito e linha exposta: os pontos fracos do América

 

Se parar o forte jogo pelos lados e não ser enganado nos escanteios do América é um bom começo para o Palmeiras, o caminho das pedras também parece estar nítido: é o lado direito da defesa, onde jogam o zagueiro Messias e o lateral Daniel Borges. Por lá saíram três dos últimos doze gols tomados pelo América, em lances muito parecidos.

A fragilidade começa quando Messias sai da linha de defesa para cobrir Flávio ou qualquer outro meio-campista. Por ser um zagueiro de muito vigor, ele tem bastante confiança para fazer esse movimento daí: sair de trás e ir “caçar” no meio.

Messias sai da linha defensiva para marcar no meio — Foto: Reprodução/Léo Miranda

Messias sai da linha defensiva para marcar no meio — Foto: Reprodução/Léo Miranda

Só que isso provoca uma certa pane na defesa, e dada a rapidez do lance, nem sempre o América se reorganiza. Messias apresenta certa lentidão ao retornar para a linha, e Flávio não consegue cobrir suas costas.

O que acontece é algo que se repetiu contra a Chapecoense e Sampaio Correia: o adversário aparece de surpresa no setor e consegue fazer o gol. Será um caminho para Rony ou Veron?

Messias atrasa o retorno para a linha e o adversário aparece de surpresa — Foto: Reprodução/Léo Miranda

Messias atrasa o retorno para a linha e o adversário aparece de surpresa — Foto: Reprodução/Léo Miranda

Outro ponto que o Palmeiras pode usar para vencer o América são os contra-ataques. Provar do próprio veneno? Pois três dos últimos doze gols levados foram de jogadas rápidas do adversário, a defesa novamente confusa na proteção da própria área. Um bom exemplo é o contra-ataque da Ponte Preta, no qual a defesa do América tinha apenas dois jogadores.

O lance começa num ataque do América e um jogador perde a bola. A organização da defesa no momento que uma equipe ataca é chamado de balanço, balanço defensivo. Vários técnicos orientam muito o posicionamento que você nem sempre vê na câmera para diminuir espaço, deixar o time compacto e evitar essa cratera que a Ponte aproveitou.

Defesa do América totalmente desprotegida contra a Ponte Preta — Foto: Reprodução/Léo Miranda

Defesa do América totalmente desprotegida contra a Ponte Preta — Foto: Reprodução/Léo Miranda

adores – como o capitão Juninho, um banco que muda jogo – como Neto Berola e Marcelo Toscano – e não irá economizar esforços na primeira semifinal de Copa do Brasil de sua história. Nada de moleza ou zebra. É um adversário duro e que vai embalar dois grandes jogos entre nos dias 23 e 30 de dezembro.

.

.

.

GE – Globo Esporte.

mais lidas