Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Farc admite culpa por assassinato que abalou a Colômbia em 1995

Publicado

em

Farc admite culpa por assassinato que abalou a Colômbia em 1995

Em carta, ex-guerrilheiros assumem a responsabilidade pelo assassinato do candidato à presidência Álvaro Gómez. Autores do crime receberão penas alternativas à prisão.

A ex-guerrilha das Farc reconheceu sua responsabilidade em seis crimes notórios, incluindo o assassinato do ex-candidato à presidência da Colômbia Álvaro Gómez, ocorrido em Bogotá em 1995, segundo uma carta enviada pelos ex-insurgentes à justiça de paz.

Em um comunicado divulgado neste sábado (3), o tribunal que investiga os crimes cometidos durante o conflito colombiano afirma que a outrora organização armada se ofereceu na carta “para contar a verdade, esclarecer os fatos ocorridos e assumir antecipadamente a responsabilidade” em vários casos.

Entre os crimes estão a morte de Álvaro Gómez Hurtado e os assassinatos do general da reserva Fernando Landázabal, em 1998, e do ex-conselheiro de paz Jesús Antonio Bejarano em 1999.

O anúncio provocou surpresa e alvoroço em um país que por muitos anos acreditou que por trás do ataque a Gómez, um dos principais líderes conservadores do século 20, estavam políticos rivais aliados com militares e narcotraficantes.

A justiça declarou o caso como “crime contra a humanidade” para evitar a prescrição da investigação até que os autores fossem encontrados.

Responsáveis pela carta

A carta explosiva da ex-guerrilha foi recebida pela Jurisdição Especial para a Paz (JEP) em 30 de setembro e está assinada pelos ex-comandantes rebeldes Julián Gallo, Pastor Alape e Pablo Catatumbo.

Gallo e Catatumbo representam a ex-guerrilha no Congresso colombiano, em cadeiras que assumiram como parte do acordo de paz de 2016 que encerrou um conflito de quase seis décadas.

Aquela que já foi a organização rebelde mais poderosa das Américas entregou as armas e virou um partido político, que aceita as normas da JEP.

Os comandantes que confessarem os crimes e compensarem as vítimas receberão penas alternativas à prisão. Caso não cumpram os compromissos, eles podem receber penas de até 20 anos de prisão.

.

.

.

Por G1

mais lidas