Siga nossa Redes

Sem categoria

Falência da empresa de turismo mais antiga do mundo afeta 600 mil

Redação

Publicado

em

Falência da empresa de turismo mais antiga do mundo afeta 600 mil

A histórica operadora de turismo britânica Thomas Cook, a mais antiga do mundo, declarou falência e o fim de suas operações, o que obrigou as autoridades a iniciar uma operação sem precedentes para repatriar clientes em viagem em vários países.

A empresa confirmou que, somando todos os destinos e nacionalidades, tem atualmente quase 600 mil turistas de férias pelo mundo, sendo 150 mil britânicos.

Com a falência, 22 mil funcionários em todo o mundo estão com os empregos ameaçados, sendo 9 mil deles no Reino Unido.

A empresa britânica foi fundada em 1841 e tinha 178 anos. Pioneira nos pacotes de viagem de férias familiares na Europa, América, África e Oriente Médio, a Thomas Cook negociou intensamente durante todo o fim de semana em busca de uma injeção de capital de 200 milhões de libras (quase US$ 250 milhões) para evitar o colapso. Mas as conversações com credores e acionistas fracassaram, e a operadora encerrou as atividades.

A Thomas Cook foi abalada por uma dívida de US$ 2,1 bilhões, segundo a Reuters. O grupo registrou uma forte queda em seus negócios nos últimos anos, consequência da concorrência intensa dos sites de viagens e das dúvidas dos turistas a viajar ante as incertezas sobre o Brexit, adiado duas vezes este ano, destaca a agência France Presse.

Agência da Thomas Cook fecharam as portas nesta segunda-feira (23) em Londres após anúndio de falência — Foto: Henry Nicholls/Reuters

Agência da Thomas Cook fecharam as portas nesta segunda-feira (23) em Londres após anúndio de falência — Foto: Henry Nicholls/Reuters

Megaoperação de repatriação

O operador de viagens britânico Thomas Cook administrava hotéis, resorts e companhias aéreas transportando 19 milhões de pessoas por ano para 16 países, principalmente da Europa, operando uma frota de 116 aviões.

A empresa precisará agota da ajuda de governos e de seguradoras para levar turistas de volta para casa. Entre os países com mais turistas afetados pela falência, segundo a Reuters, estão Alemanha, Grécia, Turquia, Egito, Espanha, Suécia e Chipre.

Na madrugada desta segunda-feira, as autoridades do Reino Unido começaram a organizar o retorno de 150 mil turistas britânicos, na maior operação de repatriação do país em tempos de paz, duas vezes superior à organizada há dois anos, no momento da falência da companhia aérea Monarch.

O governo ativou um plano de emergência que recebeu o nome “Operação Matterhorn”, referência a uma campanha de bombardeios dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial.

As aeronaves mobilizadas pela Autoridade Britânica de Aviação Civil (CAA) começaram a decolar de Palma de Mallorca (Espanha). Muitos turistas britânicos estão em Cuba, Turquia, Grécia e Tunísia. Aviões emprestados por companhias aéreas também serão utilizados.

“Todos os passageiros atualmente no exterior pela Thomas Cook e que tinham reservas para retornar ao Reino Unido nas próximas duas semanas serão transportados para casa em uma data o mais perto possível de suas reservas”, afirmou o governo britânico. A ideia é que todos os britânicos consigam retornar ao país até 6 de outubro.

De acordo com a BBC, 14 mil britânicos devem ser repatriados até a noite de segunda-feira. O governo calcula o custo da operação em 100 milhões de libras.

Empresa não operava no Brasil

O grupo não operava voos no Brasil, segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Em nota, a agência afirmou que “eventuais contratos de transporte entre brasileiros e a empresa, ou com outra empresa que operava em codeshare, estão sob a legislação do país em que se iniciava o voo com a Thomas Cook”.

A falência da Thomas Cook atinge sites globais de agendamento de viagens, empresas de cartão de crédito, agências de turismo que usam suas linhas aéreas e ruas comerciais britânicas em que seus agentes foram obrigados a fechar as portas.

A companhia aérea alemã Condor, que pertence ao grupo Thomas Cook, anunciou que mantém seus voos, apesar da falência, e solicitou um empréstimo de emergência ao governo alemão.

“É um momento preocupante para os funcionários e os clientes da Thomas Cook. A maior repatriação em tempos de paz no Reino Unido”, tuitou o ministro britânico das Relações Exteriores, Dominic Raab.

“Apesar dos enormes esforços, as discussões não chegaram a um acordo entre os acionistas e aqueles que ofereciam um novo aporte de dinheiro”, anunciou a empresa no domingo à noite. “A direção concluiu que não havia outra opção que dar os primeiros passos para iniciar o processo de liquidação com efeito imediato”, completou.

A operadora havia apresentado um plano reestruturação no qual o conglomerado chinês Fosun assumiria o controle de suas atividades, ao mesmo tempo em que os credores (que incluem, entre outros, os bancos RBS, Barclays e Lloyds) assumiriam as atividades de sua companhia aérea.

Mas as 900 milhões de libras (US$ 1,12 bilhão) prometidos pelas partes não eram suficientes. A empresa necessitava de mais 200 milhões de libras para continuar com suas atividades.

No Reino Unido, a falência de um grande nome nacional do turismo provocou o início de uma caça aos culpados. A ministra britânica das Empresas, Andrea Leadsom, pediu uma “investigação acelerada”.

Operadora de turismo britânica Thomas Cook declara falência e afeta 600 mil clientes  — Foto: Enrique Calvo/Reuters

Operadora de turismo britânica Thomas Cook declara falência e afeta 600 mil clientes — Foto: Enrique Calvo/Reuters

Publicidade

mais lidas