Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Mundo

EUA dizem que eleições na Venezuela ‘não refletem a vontade do povo’

Publicado

em

EUA dizem que eleições na Venezuela 'não refletem a vontade do povo'

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, afirmou nesta segunda-feira (22) que as eleições regionais de domingo na Venezuela “não refletem a vontade do povo venezuelano”. O chavismo, do grupo político de Nicolás Maduroconseguiu eleger 20 dos 23 governadores além do prefeito da capital Caracas. Porém, só 41,8% dos eleitores foram às urnas.

LEIA TAMBÉM

“As detenções arbitrárias e o assédio de atores políticos e da sociedade civil, a criminalização das atividades dos partidos da oposição, a proibição de candidatos em todo o espectro político, a manipulação das listas de eleitores, a censura persistente dos meios de comunicação e outras táticas autoritárias sufocaram praticamente o pluralismo político e garantiram que as eleições não refletissem a vontade do povo venezuelano”, afirmou Blinken em um comunicado.

Candidatos chavistas vencem em 20 de 23 estados em eleição regional na Venezuela

A oposição ao governo do presidente Nicolás Maduro, que voltou a participar das eleições após três anos de boicote e apelos à abstenção, venceu em três estados: Zulia (o mais populoso do país), Cojedes e Nueva Esparta.

Os opositores também podem, no próximo ano, tentar convocar um referendo para revogar o mandato de Maduro. Mas precisa superar as divisões internas que a levaram a concorrer de forma desunida e fragmentada.

O presidente venezuelano Nicolás Maduro, após durante as eleições regionais e municipais em Fuerte Tiuna, em Caracas — Foto: Yuri Cortez / AFP Photo
O presidente venezuelano Nicolás Maduro, após durante as eleições regionais e municipais em Fuerte Tiuna, em Caracas — Foto: Yuri Cortez / AFP Photo

Juan Guaidó, líder da oposição que é reconhecido como presidente interino da Venezuela por dezenas de países, não votou e permaneceu em silêncio sobre a eleição.

Ele defendeu nesta semana “unificar a luta” contra Maduro após o pleito e insistiu em buscar um acordo nas negociações do governo e da oposição que ocorriam no México.

.

.

.

.

G1

mais lidas