Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Economia

Em meio à crise, renegociações de dívidas bancárias batem recorde

Publicado

em

Em meio à crise, renegociações de dívidas bancárias batem recorde

Informação foi divulgada nesta quinta-feira em relatório do Banco Central.
Crédito cresce pouco, bancos estão líquidos e inadimplência sobe, informa.

Os brasileiros continuam com dificuldades para pagar suas dívidas bancárias em meio à forte crise econômica e, por isso, continuam apelando para a renegociação com as instituições financeiras – procedimento que bateu recorde em junho deste ano, informou o Banco Central nesta quinta-feira (15) por meio do relatório de estabilidade financeira do primeiro semestre deste ano.

“O fluxo mensal de reestruturações de dívidas vem crescendo desde o último trimestre de 2015 e alcançou o maior nível da série histórica em junho de 2016. A reestruturação de dívidas é uma prática que vem sendo adotada de forma mais frequente em todas as modalidades, mas com maior intensidade nas operações de financiamento imobiliário”, informou a autoridade monetária no documento.

De acordo com o BC, as modalidades que apresentaram o maior crescimento na proporção de operações inadimplentes (atraso superior a 90 dias) ou “reestruturadas” (dívidas renegociadas) no primeiros semestre são financiamento de veículos, cartão de crédito e financiamento imobiliário, “reflexo da conjuntura econômica desfavorável e das condições adversas do mercado de trabalho”.

Crédito e inadimplência
“O ambiente adverso da economia real continuou a se refletir de maneira pronunciada nos indicadores de crédito neste último semestre, resultando na manutenção da cautela na concessão de crédito e na baixa demanda por parte dos tomadores, levando ao baixo crescimento da carteira”, acrescentou o Banco Central.

A instituição informou ainda que a inadimplência bancária cresceu ao longo do primeiro semestre deste ano, com exceção do mês de junho, quando apresentou redução devido “à influência relevante das reestruturações de dívidas, não permitindo, por ora, inferir uma reversão de tendência daquele indicador para o Sistema Financeiro Nacional”.

Rentabilidade caiu
O Banco Central informou ainda que a rentabilidade do sistema bancário apresentou queda nos seis primeiros meses deste ano, influenciada pela “deterioração da qualidade do crédito e pelo consequente aumento das despesas com provisões [resultado, entre outros, da alta da inadimplência]”.

“Em contrapartida, as instituições direcionaram esforços na contenção de custos administrativos e na busca por outras fontes de receita, com incremento das rendas de tarifas, seguros e cartões na formação do lucro líquido”, observou a autoridade monetária.

Capacidade de pagamento dos bancos
A solvência (capacidade de honrar compromissos) do sistema bancário permaneceu estável no primeiro semestre, acrescentou o Banco Central, com capital em patamar elevado. “O sistema prossegue operando com índices de capital bastante superiores aos requerimentos regulatórios, com a maior parte das instituições apresentando folga de capital suficiente para absorver os plenos efeitos de Basileia III”, informou.

O Banco Central informou ainda que “testes de estresse de capital” (projeções com piora de indicadores econômicos) demostram que o sistema bancário brasileiro mantém “adequada capacidade de suportar efeitos de choques decorrentes de cenários macroeconômicos adversos bem como de mudanças abruptas nas taxas de juros e de câmbio, de aumento na
inadimplência ou de queda generalizada dos preços dos imóveis residenciais, apesar do progressivo aumento do impacto, em função da materialização de riscos no ambiente macroeconômico”.

mais lidas