Siga nossa Redes

Cidades

Doria cogita decretar lockdown em São Paulo

Redação

Publicado

em

Doria cogita decretar lockdown em São Paulo

Estado tem quase 4.700 mortes por coronavírus, e sistema de saúde está perto do colapso na capital

Os casos de coronavírus seguem avançando no estado de São Paulo e podem levar a medidas de isolamento social mais rígidas. Em entrevista publicada nesta segunda-feira no jornal O Estado de S. Paulo, o governador João Doria (PSDB) afirmou que o lockdown, a medida mais rígida de isolamento, pode ser decretado no estado se o comitê estadual de saúde julgar necessário. “Em São Paulo vai prevalecer a decisão médica, da ciência e da saúde”, afirmou.

O governador afirmou ainda que em caso de lockdown em São Paulo só se desloca quem está em áreas de absoluta necessidade, como segurança pública, saúde, serviços básicos e abastecimento. Um dado decisivo para o estado chegar a essa decisão, explicou Doria, é o esgotamento de leitos de leitos de UTI. “É tudo que não desejamos”, afirmou.

Ainda no começo da manhã desta segunda (18), em entrevista à rádio CBN, o governador explicou que o lockdown é constantemente analisado, mas não será anunciado de uma hora para a outra.

“Esse protocolo [o lockdown] existe, está pronto faz tempo, mas ele não é iminente. Não há perspectivas de sua aplicação imediata. Esse protocolo só será colocado em prática se o comitê de saúde do estado assim determinar”, declarou o governador, que afirmou que o aviso será feito com antecedência.

“Todos os dias o comitê se reúne virtualmente, às 11h30 da manhã, para avaliar o lockdown em São Paulo”, acrescentou o governador, que explicou que o número de leitos de UTI disponíveis e a taxa de isolamento acima de 50% é que vão determinar se haverá o endurecimento da quarentena.

A capital do estado, sozinha, tem 2.760 mortos e mais de 3 mil casos suspeitos. Ontem, o prefeito, Bruno Covas, afirmou que a cidade está perto do colapso no sistema de saúde, com 90% ocupação de 90% nos leitos de UTI e de 76% nos leitos de enfermaria. Covas disse ainda que o lockdown na cidade depende de uma decisão do governo do estado, uma vez que ele não tem poder de polícia. Covas voltou a afirmar que a cidade precisa “desacelerar” para diminuir o ritmo de contágio.

Publicidade

mais lidas