Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Divisão Antiterrorismo da Polícia Federal faz buscas por Battisti em São Paulo

Publicado

em

Divisão Antiterrorismo da Polícia Federal faz buscas por Battisti em São Paulo

Divisão especializada em ações antiterror tentou capturar o italiano Cesare Battisti em dois endereços informados por denúncias anônimas, mas ele não foi encontrado.

A Divisão Antiterrorismo (DAT) da Polícia Federal (PF) fez duas tentativas de captura de Cesare Battisti nesta segunda-feira (17) em São Paulo. A PF foi em endereços informados por denúncias anônimas como possíveis esconderijos do italiano, considerado foragido pela polícia desde sexta-feira (14).

O italiano teve a prisão preventiva decretada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux na quinta-feira (13). O ministro revogou uma liminar (decisão provisória) que impedia a extradição de Battisti até que o Supremo voltasse a analisar o caso e mandou prendê-lo.

No dia seguinte, na sexta-feira (14), o presidente Michel Temer assinou o decreto de extradição de Battisti.

Novas buscas

A DAT passou a integrar a operação de captura do italiano neste domingo (16). Nas investigações, a divisão antiterrorismo é a responsável por receber dados de denúncias amônias, fazer as diligências e apoiar as investigações.

O trabalho é integrado com a Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), a divisão de imigração e a divisão de inteligência da Polícia Federal.

De acordo com a PF, o maior desafio da investigação é a fronteira. São 17 mil quilômetros de extensão com acessos de estradas vicinais onde não há postos de fiscalização. Em outubro de 2017, Battisti foi detido na fronteira do Brasil com a Bolívia, com dólares e euros em espécie não declarados.

Neste domingo (16), a PF divulgou retratos com possíveis disfarces que o italiano poderia utilizar para se esconder.

Polícia Federal divulgou simulações de possíveis disfarces de Cesare Battisti — Foto: Divulgação/Polícia Federal

Polícia Federal divulgou simulações de possíveis disfarces de Cesare Battisti — Foto: Divulgação/Polícia Federal

Entenda o caso Battisti

  • O caso de Cesare Battisti no Brasil teve início durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010). O italiano fugiu para o Brasil para evitar uma extradição para a Itália, onde ele foi condenado à prisão perpétua por conta de quatro homicídios ocorridos no país europeu na década de 1970;
  • À época, Battisti fazia parte da organização Proletários Armados pelo Comunismo. Ele foi condenado pela Justiça italiana por quatro homicídios praticados entre 1978 e 1979 contra um guarda carcerário, um agente de polícia, um militante neofascista e um joalheiro de Milão (o filho do joalheiro ficou paraplégico, depois de também ser atingido). O italiano se declara inocente;
  • Antes de fugir para o Brasil, Battisti passou por outros dois países. Em 1981, ele conseguiu fugir da penitenciária de Frosinone, perto de Roma, onde cumpria pena pela morte do joalheiro, e se refugiou na França. No ano seguinte, ele se mudou para o México;
  • Battisti retornou para a França em 1990 e lá passou a atuar como escritor de livros policiais. Em 2005, ele decidiu deixar a Europa após o Conselho de Estado da França ter autorizado a extradição dele para a Itália. Logo em seguida, ele embarca para o Brasil;
  • Em 2007, o italiano foi preso pela Polícia Federal no Rio de Janeiro e passou a cumprir prisão preventiva (sem prazo determinado) aguardando uma posição final sobre o pedido de extradição apresentado por Roma ao Palácio do Planalto;
  • Battisti conseguiu obter do governo Lula, em 2009, o status de refugiado político, baseado no “fundado temor de perseguição por opinião política”, contrariando decisão do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare);
  • No fim de 2009, o STF julgou “procedente” o pedido de extradição feito pela Itália, entretanto, deixou a palavra final ao presidente da República;
  • Lula negou a solicitação do governo italiano em 31 de dezembro de 2010, último dia do governo do petista. Battisti deixou a penitenciária da Papuda, em Brasília, em junho de 2011, após ficar quatro anos na cadeia à espera de uma posição das autoridades brasileiras sobre o pedido de extradição;
  • A decisão de Lula gerou mal-estar diplomático com a Itália, que se estendeu pelo governo Dilma Rousseff;
  • Roma não desistiu da extradição e retomou conversas com o Brasil após Temer chegar à Presidência em razão do impeachment de Dilma;
  • No momento em que identificou as movimentações diplomáticas entre Brasil e Itália, a defesa de Battisti se antecipou e pediu ao Supremo uma liminar para impedir a entrega do italiano para as autoridades do país europeu. Na ocasião, Fux concedeu a liminar, a mesma que ele revogou nesta semana.

mais lidas