Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Crônicas do Léo Dias

Publicado

em

Crônicas do Léo Dias

Com publicidade em queda e ‘jabá’ suspenso, como as rádios vão sobreviver?

Entender o faturamento de uma rádio no Brasil é algo complicado. A ascensão da internet foi um golpe fortíssimo ao faturamento delas, até porque a maneira de ouvir música mudou muito nos últimos anos. Mas rádio ainda faz diferença na carreira de um artista. Vitão, Luisa Sonza e Melin são exemplos da nova geração que só tiveram relevância nacional depois que começaram a tocar em rádio.
Nos últimos anos, a solução para a economia das rádios foi o “jabá”, que todo dono de rádio tem o mesmo discurso: “pode até existir, mas aqui nós não praticamos isso”. Só que, agora, sem shows, os jabás acabaram temporariamente e o desespero começou a bater, principalmente nas estações menores.
O jabá no Brasil existe de duas formas: em dinheiro ou em data de shows que o artista faz de graça para um evento que a rádio vai fazer o caixa.
Vale ressaltar que a situação é muito pior para as rádios que sempre trataram a internet como uma inimiga, não como uma aliada. Essas, estão fadadas ao fracasso.
Pois é justamente nas grandes adversidades é que surgem as revolucionárias soluções. A ideia de depender exclusivamente de uma programação musical é aterrorizante. Nos dias de hoje, a pessoa tem, na palma da mão, a opção de escolher a canção que gosta e ouvir a hora que quiser.
Então, a minha dica para você, que administra uma rádio musical é criar uma programação mais variada que não dependa de música. Crie programas de debates com música entre os blocos, se a rádio for jovem, que tal um programa de namoro? E, óbvio, crie um canal no YouTube e poste todo o conteúdo. A produção própria eleva a relevância de qualquer empresa. Fuja do óbvio, porque isso todo mundo já fez.

mais lidas