Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Crivella decretará obrigatoriedade do uso de máscaras no Rio

Publicado

em

Prefeito defende medida diante da evolução do coronavírus

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, vai editar ainda hoje (17) um decreto  determinando a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção a todas pessoas que estejam fora de casa. Crivella disse que a medida é necessária diante do quadro traçado de evolução dos casos da doença nas próximas duas ou três semanas e da falta de leitos de UTI suficientes na rede municipal.

A medida foi propostaa pelo Comitê Científico, que se reuniu hoje (17) para analisar o cenário de contaminação pelo novo coronavírus (covid-19) na cidade. De acordo com o prefeito, no início da crise o comitê, observando o cenário internacional, avaliou que havia necessidade de 900 leitos clínicos e de quase 400 de UTI na cidade.

“Por isso, é tão importante a gente também pedir, sobretudo agora que as curvas mostram uma inflexão maior, que todos usem máscaras. A prefeitura já vai adotar como regra do prefeito ao gari. Todos nós vamos usar máscaras, guardas municipais, os funcionários que estão respondendo expediente. Saiu na rua, coloca a sua máscara para evitar o aumento da contaminação e, principalmente, nesses próximos dias. Nos preocupa muito essas duas, três semanas à frente. Nós acreditamos que depois nós tenhamos vencido o pior da nossa crise. O pior terá passado, sobretudo porque já teremos montado nosso hospital de campanha e também o [ Hospital Ronaldo] Gazolla estará funcionando a pleno vapor”, disse o prefeito.

Leitos privados

Crivella anunciou ainda que a prefeitura vai contratar leitos privados para os atendimentos enquanto os hospitais destinados a pacientes infectados não ficarem pontos. “Nesse período em que ainda não ficou pronto o Hospital de Campanha e o Gazolla, vamos lançar um edital. Vamos fazer internações também em leitos privados. Não vamos arrestar. Vamos pagar o mesmo que o governo federal estipulou, para termos garantia de que esse momento de colapso não vai chegar. Agora é fundamental”.

Isolamento

Crivella anunciou ainda que a prefeitura vai manter o isolamento social. Para ele, essa é única alternativa no momento para a cidade diante da previsão do aumento dos casos e falta de vagas de UTI. “A nossa preocupação é de que se não mantivermos o afastamento social, a curva se acelera. Hoje, por exemplo, nós chegamos a ter quase 90% dos leitos de UTI ocupados e isso é uma coisa que preocupa a nós todos. Temos 90% dos eleitos de UTI ocupados. Como podemos diminuir essa pressão na nossa rede? Precismos que as pessoas mantenham o afastamento social nestes próximos dias”, alertou.

Segundo o prefeito, a situação deve melhorar quando forem abertos cerca de 300 leitos de UTI, que começarão a funcionar com a chegada de respiradores comprados pela prefeitura no ano passado. “Daqui a pouquinho poderemos abrir 300 leitos de UTI, quando chegarem os respiradores. Não serão mais os 90%, vamos cair para bem abaixo disso. Precisamos tratar das pessoas e temos visto que no [Hospital Ronaldo] Gazolla o tratamento tem sido exitoso. Nós tivemos já na rede toda bem mais de 400 altas. O que não podemos ter, são pessoas buscando leitos de UTI no hospital e não ter leito porque está tudo ocupado. Então é muito importante pedirmos o tempo às pessoas para manterem o afastamento social”, destacou.

Para reforçar o apelo à população pela manutenção do isolamento social, Crivella chegou a fazer uma comparação com a Arca de Noé. “Fazendo aqui uma comparação, estamos construindo a nossa arca. Não é possível que, por imprudência, a gente adiante o dilúvio. Nós temos que estar com a arca pronta quando o dilúvio chegar, que é o ponto máximo de inflexão da nossa curva de contaminação”

Comunidades

O Comitê Científico sugeriu o estudo de novas medidas a serem implementadas para que não diminuíssem, em hipótese alguma, os números calculados pela Coppe de 70% na redução de circulação nas ruas e 80% nos transportes. “Essa, infelizmente, não é a realidade nas nossas comunidades. Nas comunidades não está havendo o afastamento social que nós tanto preconizamos. Um dado que nos preocupa muito é que, nesse momento, ainda aguardamos os equipamentos que compramos no ano passado e estão para chegar nos próximos dias”, alertou o prefeito para a situação das comunidades, onde o isolamento social não tem sido respeitado.

Escolas

O prefeito disse que não há previsão de quando serão reabertas as escolas. Crivella disse que respeita a preocupação do presidente Jair Bolsonaro, que manifestou o desejo da volta às aulas, mas que a cidade não tem condição, no momento, de voltar com o funcionamento das escolas.

“A esperança do presidente da República é a esperança de todos nós. Gostaria também de abrir as escolas, porque não é só no Brasil, não. No mundo inteiro não tem crianças que morreram [por causa da doença] a não ser as que tinham comorbidade, mesmo assim, um na face da Terra. Mas nós temos problemas com os professores, com as merendeiras, com os funcionários”.

Comitê

O Comitê Científico é composto por diversos profissionais que avaliam os impactos da doença na cidade, entre eles médicos com mais de 30 anos de experiência e matemáticos, que avaliam a evolução das curvas dos casos registrados e de contaminação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AGENCIA BRASIL

mais lidas