Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Sem categoria

Coréia do Sul cancela compartilhamento de inteligência com Japão

Publicado

em

RENOVA MÍDIA

Acordo porém pode voltar a existir se japoneses cancelarem restrições

Coreia do Sul e Japão devem suspender compartilhamento de inteligência, ocasionando  conseqüências possivelmente sérias para o monitoramento eficaz da Coreia do Norte. As autoridades coreanas deixaram claro que o Acordo Geral de Segurança das Informações Militares (GSOMIA) expirará às 12h do sábado (23), a menos que Tóquio retire suas restrições de exportação contra Seul.

As chances de que Seul e Tóquio façam um acordo para mudar a situação em breve parecerm pequenas, mas a Coreia do Sul está depositando esperanças, por meio de declarações do governo, em consultas diplomáticas contínuas com o Japão.

Kang Gi-jung, secretário sênior de assuntos políticos de Cheong Wa Dae (sede do Executivo coreano), disse que Seul e Tóquio estão “em diálogo”, com os dois cenários abertos: estendendo ou terminando o contrato.

Os diplomatas dos dois lados estão conversando e realizando esforços, mas negociações estão chegando ao fim, disse Gi-jung a Hwang Kyo-ahn, chefe do principal partido da oposição, a Coreia da Liberdade. Hwang está realizando uma greve de fome para protestar contra as principais políticas do governo liberal Moon Jae-in, incluindo a decisão de abandonar a GSOMIA.

Falando em uma reunião na prefeitura de Seul na terça-feira (19), o Presidente Moon deixou claro que é difícil compartilhar informações militares com o Japão, que considera Seul como um parceiro de segurança “não confiável”. Ao impor controles de exportação contra a Coreia do Sul, o governo japonês citou preocupações sobre a transferência ilegal de materiais estratégicos para a Coreia do Norte ou para países terceiros.

Moon disse que seu governo tentará “até o último momento” manter o GSOMIA, já que os Estados Unidos pediram fortemente a extensão do acordo, que considera crucial nas parcerias trilaterais de segurança no nordeste da Ásia.

 

 

Por Agência Brasil 

mais lidas