Siga nossa Redes
xvideos4.pro julia jerez de garcia salinas.
ngentot pagkantot sa magandang kapitbahay.
www.hotdesimovs.com blowjobs and pussy play.

Política

Candidatos ao Senado disputam apoio bolsonarista nos estados

Publicado

em

Candidatos ao Senado disputam apoio bolsonarista nos estados

Definir um nome para palanques estaduais surge como desafio para a campanha de Jair Bolsonaro (PL) à reeleição. Conflitos entre nomes de partidos aliados impedem que o segundo candidato mais bem colocado nas pesquisas deixe de confirmar, neste momento, quem receberá o seu apoio em regiões consideradas chave na disputa: Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal.

Pelas regras eleitorais que passam a valer no pleito deste ano, partidos que estão federados só podem lançar um único candidato. Como o PL, partido do presidente, não está federado com nenhuma outra sigla, isso não é um problema. Contudo, ter mais de um nome na urna em cada unidade federativa para uma única vaga ao Senado é encarado como negativo por dividir votos.

Rio de Janeiro

 

Romário (à esq.) e Daniel Silveira disputam vaga ao Senado pelo RJ — Foto: Divulgação

Romário (à esq.) e Daniel Silveira disputam vaga ao Senado pelo RJ — Foto: Divulgação

Rio apresenta um impasse e tanto para os bolsonaristas. O presidente tem dois aliados em disputa pela vaga ao Senado: o ex-jogador de futebol Romário (PL), que já tem uma cadeira na Casa e buscaria a reeleição, e Daniel Silveira (PTB), deputado federal condenado pelo STF a cumprir 8 anos e 9 meses de prisão por incentivar ataques antidemocráticos e contra os ministros do Supremo.

O decreto em que Bolsonaro perdoa a pena a Silveira fez com que o PTB alçasse seu nome, antes cotado para a seguir na Câmara, à candidatura ao Senado. O choque é inevitável com o ex-camisa 11 da seleção brasileira de futebol. Afinal, o PL considera natural a sua manutenção na Casa e, assim, ter o apoio exclusivo do presidente na eleição.

Distrito Federal

 

No Distrito Federal, Bolsonaro vê duas ex-ministras de Estado na dança por uma única cadeira: Damares Alves (Republicanos) e Flávia Arruda (PL). Ambas deixaram o governo em março para concorrer ao Senado. Não existia, até aquele momento, um nó a ser desatado. Damares tentaria a vaga pelo Amapá e Flávia, no DF.

Porém, a ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos não obteve acordo regional com partidos aliados ao presidente naquele estado. Ao se filiar no Republicanos, ela optou pelo DF (onde mora desde que assumiu o ministério) como domicílio eleitoral. A escolha a põe como opção nos votos bolsonaristas até então direcionados somente a Flávia Arruda.

São Paulo

 

Da esquerda para a direita: Carla Zambelli, Datena, Janaína Paschoal e Skaf, postulantes ao Senado por SP — Foto: Divulgação

Principal colégio eleitoral do país, São Paulo criava um entrave de mesmo tamanho para o presidente. Quatro postulantes ao Senado se articulam para contar com Bolsonaro em seus santinhos (como são chamados os materiais de campanha): Janaína Paschoal (PRTB), Carla Zambelli (PL), Paulo Skaf (Republicanos) e José Luiz Datena (PSC).

Cada um leva consigo uma cartada para ser o escolhido. Janaína é conhecida no estado como uma das articuladoras do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016; Zambelli está ao lado de Bolsonaro e fez campanha na eleição vencido em 2018, laço fortalecido desde que chegou à Câmara dos Deputados; Skaf trocou o MDB pelo Republicanos, partido do vice-presidente Hamilton Mourão e lidera um grupo social relevante para Bolsonaro, o das indústrias; já Datena, apresentador de TV, lidera as pesquisas de opinião realizadas para o Senado em SP.

Neste caso, Bolsonaro se articulou e trabalha para que Datena seja o escolhido e componha a chapa com Tarcísio de Freitas, candidato ao governo paulista – como antecipado pelo blog da Natuza Nery. Por sua vez, Datena ainda não cravou sua ida à chapa bolsonarista e, como em eleições passadas, pode desistir de concorrer.

.

 

.

 

.

G1

mais lidas